Mello Franco: Moro quer destruir diálogos, mas deveria divulgá-los

O jornalista Bernardo Mello Franco afirma que "com a prisão dos hackers, ficou fácil atestar a autenticidade dos diálogos da Lava-Jato. Moro deveria ser o principal interessado em fazer isso, mas se apressou a dizer que as mensagens seriam destruídas"

247 - O jornalista Bernardo Mello Franco, em sua coluna no jornal O Globo, afirma que "com a prisão dos hackers, ficou fácil atestar a autenticidade dos diálogos da Lava-Jato. Moro deveria ser o principal interessado em fazer isso, mas se apressou a dizer que as mensagens seriam destruídas". 

"No Twitter, o ministro da Justiça voltou a se referir a “supostas mensagens obtidas por crime”. Desde o caso veio à tona, ele contesta a autenticidade dos diálogos de forma genérica, sem dizer o que seria falso ou verdadeiro. Se a PF copiou todos os arquivos dos hackers, é possível tirar a prova. Basta querer."

"Moro deveria ser o principal interessado em esclarecer o caso, que pôs em xeque a sua conduta nos processos da Lava-Jato. No entanto, ele se apressou a dizer que os diálogos seriam imediatamente descartados — segundo disse o presidente do STJ, “para não devassar a intimidade de ninguém”. O ex-juiz teve que ser lembrado de que isso não depende da sua vontade. As provas só podem ser destruídas por ordem judicial."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247