Mello Franco: MP não mostrou provas contra Lula

"A força-tarefa parece não ter provas suficientes para sustentar que o ex-presidente era o líder de uma organização criminosa que usava as horas vagas para governar o país. Para bancar essa acusação, Dallagnol e seus colegas precisariam apresentar menos frases de efeito e mais evidências", diz o colunista Bernardo Mello Franco

"A força-tarefa parece não ter provas suficientes para sustentar que o ex-presidente era o líder de uma organização criminosa que usava as horas vagas para governar o país. Para bancar essa acusação, Dallagnol e seus colegas precisariam apresentar menos frases de efeito e mais evidências", diz o colunista Bernardo Mello Franco
"A força-tarefa parece não ter provas suficientes para sustentar que o ex-presidente era o líder de uma organização criminosa que usava as horas vagas para governar o país. Para bancar essa acusação, Dallagnol e seus colegas precisariam apresentar menos frases de efeito e mais evidências", diz o colunista Bernardo Mello Franco (Foto: Leonardo Attuch)

247 – O jornalista Bernardo Mello Franco, colunista político da Folha, argumenta que a Lava Jato não apresentou provas de que o ex-presidente Lula foi o chefe de uma organização criminosa, em artigo publicado nesta quinta-feira (leia aqui).

"Apesar da contundência verbal, a força-tarefa não denunciou o petista por organização criminosa. Ele foi acusado de receber vantagens de uma só empresa, a OAS, no total de R$ 3,7 milhões. A quantia é expressiva, mas não chega perto das somas desviadas por alguns funcionários de segundo escalão da Petrobras", diz ele.

"A força-tarefa parece não ter provas suficientes para sustentar que o ex-presidente era o líder de uma organização criminosa que usava as horas vagas para governar o país. Para bancar essa acusação, Dallagnol e seus colegas precisariam apresentar menos frases de efeito e mais evidências."

Conheça a TV 247

Mais de Mídia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247