Merval prevê a volta do financiamento privado, mas só para a direita

Colunista lembra que o ministro do STF Luís Roberto Barroso e o juiz Sergio Moro, dois críticos ferrenhos do financiamento privado, disseram recentemente que voltar com esse tipo de doação talvez seja a melhor solução, mas com regras mais rígidas; "Ambos criticam, por exemplo, a possibilidade de uma mesma empresa financiar diversos candidatos de partidos diferentes, e esse aspecto deve ser revisto na proposta que será apresentada na próxima semana", afirma Merval

Colunista lembra que o ministro do STF Luís Roberto Barroso e o juiz Sergio Moro, dois críticos ferrenhos do financiamento privado, disseram recentemente que voltar com esse tipo de doação talvez seja a melhor solução, mas com regras mais rígidas; "Ambos criticam, por exemplo, a possibilidade de uma mesma empresa financiar diversos candidatos de partidos diferentes, e esse aspecto deve ser revisto na proposta que será apresentada na próxima semana", afirma Merval
Colunista lembra que o ministro do STF Luís Roberto Barroso e o juiz Sergio Moro, dois críticos ferrenhos do financiamento privado, disseram recentemente que voltar com esse tipo de doação talvez seja a melhor solução, mas com regras mais rígidas; "Ambos criticam, por exemplo, a possibilidade de uma mesma empresa financiar diversos candidatos de partidos diferentes, e esse aspecto deve ser revisto na proposta que será apresentada na próxima semana", afirma Merval (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Merval Pereira prevê em sua coluna do Globo nesta quinta-feira 17 a volta do financiamento privado, mas só para a direita.

Ele lembra que dois personagens que "contribuíram para que os deputados e senadores se sentissem em condições de retomar o assunto" sobre o financiamento privado foram o ministro do STF Luís Roberto Barroso e o juiz Sergio Moro.

Os dois foram críticos ferrenhos do financiamento privado, mas disseram recentemente que voltar com esse tipo de doação talvez seja a melhor solução, porém com regras mais rígidas.

"Ambos criticam, por exemplo, a possibilidade de uma mesma empresa financiar diversos candidatos de partidos diferentes, e esse aspecto deve ser revisto na proposta que será apresentada na próxima semana", afirma Merval.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247