Merval trata clã Bolsonaro como máfia e Wassef como gângster

Colunista do Globo também relata encontro fortuito que teve com o advogado que escondia Fabrício Queiroz

(Foto: Reprodução | Carolina Antunes/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O jornalista Merval Pereira, do Globo, avalia que o Brasil hoje é governado pela máfia Bolsonaro e que o advogado Fred Wassef, que escondia o tesoureiro do clã, Fabrício Queiroz, é um gângster. Em sua coluna desta sexta-feira, ele relata o encontro fortuito que teve com Wassef num avião. "O cara que se sentou ao meu lado na primeira fila era espaçoso, correntes de ouro, e muito falante, não largava o celular, sem atender aos pedidos da aeromoça para desligá-lo, pois iríamos decolar.  Pedi então que o desligasse, pois estava colocando em risco os demais passageiros", lembra Merval.

"Como não podia deixar de ser, começou a puxar conversa, bravateando sua relação íntima com os Bolsonaro. Queria dar uma entrevista à Globo. Nunca mais nos falamos, e passei a seguir suas peripécias apenas pelos jornais, até ontem, quando Fabricio Queiroz foi preso em sua casa em Atibaia", recorda o jornalista.

"A ligação de Queiroz com o advogado Wassef, que se gaba de ser amigo íntimo do presidente e de seus filhos, só confirma os laços de juramento de sangue, bem ao estilo mafioso, que o une à família Bolsonaro", escreve ainda o colunista.

Ele diz ainda que a casa em Attibaia, onde Queiroz foi preso, era um simulacro de escritório de advocacia, "o que mostra a má fé do advogado, provavelmente para se valer da inviolabilidade garantida por lei para esse tipo de imóvel."

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247