Mídia internacional repercute escândalos de Moro

O The Guardian repercutiu as novas revelações do Intercept Brasil, desta vez em parceria com a Veja; o jornal britânico aponta que Sérgio Moro usa "seu dedo indicador para desequilibrar a balança da justiça para a direita”; jornais como Clarín, da Argentina, e La Nación, do Chile, também "fritam" o ex-juiz

O juiz da 13ª Vara Federal do TRF da 4ª Região, Sérgio Moro participa de audiência pública na Comissão Especial do Novo Código de Processo Penal (PL 8.045/10).
O juiz da 13ª Vara Federal do TRF da 4ª Região, Sérgio Moro participa de audiência pública na Comissão Especial do Novo Código de Processo Penal (PL 8.045/10). (Foto: Wilson Dias/ABR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornal britânico The Guardian repercutiu as novas revelações do Intercept Brasil, desta vez em parceria com a Veja; 

“Uma imagem da capa de VEJA mostra Moro – que de maneira controversa assumiu o trabalho (como ministro) no ano passado depois de ajudar a prender o principal rival de Bolsonaro na eleição, o ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva – usando seu dedo indicador para desequilibrar a balança da justiça para a direita”, disse o jornal britânico.

O argentino Clarín afirmou que a divulgação das novas mensagens comprometem ainda mais a imagem de Moro. “A revista VEJA publicou uma extensa reportagem de capa em que afirma terem sido analisadas 649.551 mensagens trocadas por Moro e promotores ao longo dos anos, especialmente entre 2015 e 2017”, afirmou. “As revelações corroeram fortemente a imagem de correção absoluta desfrutada pelo atual ministro. E poderiam até levar à anulação de algumas de suas sentenças.”

De acordo com o periódico chileno La Nación, a publicação dos diálogos coloca ainda mais em dúvida a imparcialidade de Moro como juiz da Lava Jato. “Após a publicação, #Morosuacasacaiu se tornou o assunto mais comentado no Twitter no Brasil. Imediatamente, os apoiadores do atual ministro responderam com a hashtag #Morosomostodos".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email