Miguel Lago: para uma nova vitória das redes sociais na democracia?

Em artigo no jornal francês Le Monde, o cientista político Miguel Lago, cofundador da rede Meu Rio e diretor da ONG Nossas, diz acreditar que a razão do provável sucesso de Jair Bolsonaro durante o segundo turno das eleições presidenciais de domingo 28 de outubro se baseia na forma pela qual o candidato se aproveitou das novas tecnologias para destilar um discurso sensacionalista de imediata propagação

Miguel Lago: para uma nova vitória das redes sociais na democracia?
Miguel Lago: para uma nova vitória das redes sociais na democracia?

Tradução de Sylvie Giraud - Em um artigo no jornal francês Le Monde, o cientista político Miguel Lago acredita que a razão do provável sucesso de Jair Bolsonaro durante o segundo turno das eleições presidenciais de domingo 28 de outubro se baseia na forma pela qual o candidato se aproveitou das novas tecnologias para destilar um discurso sensacionalista de imediata propagação.

No domingo, 28 de outubro, o Brasil se prepara para entrar no crescente clube de países governados por populistas de extrema direita. O sucesso da campanha de Bolsonaro, desprovida de estruturas partidárias e eleitorais clássicas, e sua eventual vitória nas eleições presidenciais, reside na sua capacidade de tirar proveito das novas tecnologias de informação e comunicação (TICs).

Não é apenas mais um exemplo do potencial explosivo da fusão entre a arquitetura das redes sociais e a democracia representativa, mas bem um passo à na demonstração de seu potencial explosivo.

As TICS, e mais particularmente as redes sociais, desempenharam um papel importante em todas as últimas grandes eleições. Elas contribuíram para a ascensão ao poder de novos partidos políticos, como o movimento de 5 estrelas na Itália; a vitória de outsiders sem uma estrutura partidária pré-estabelecida como Emmanuel Macron, ou a captura de partidos tradicionais por celebridades midiáticas como Donald Trump. No entanto, desta vez, um passo a mais foi dado, fazendo de Jair Bolsonaro o primeiro candidato realmente pertencente ao novo mundo eleitoral.
Uma ascensão sem partido, nem dispositivos eleitorais tradicionais

Bolsonaro era até agora um deputado pouco conhecido e isolado, cujo único feito havia sido a defesa pública da antiga ditadura brasileira. Sua ascensão, ao contrário dos casos anteriores, não se deve à criação ou à tomada de posse de um partido existente, nem mesmo prática de dispositivos eleitorais tradicionais (estrutura partidária ou jogos de aliança) ou a uma superexposição na mídia.

Neste país continental de mais de 200 milhões de habitantes, dos quais quase 150 milhões de eleitores, o tempo de televisão, concedido de acordo com a representatividade dos partidos no Parlamento, tem sido historicamente o principal fator que explica as vitórias eleitorais. Bolsonaro nem precisava, ele fazia muito pouco uso de seu tempo dedicado a debates e entrevistas. Apunhalado no começo da campanha, ele nem viajou pelo país tanto quanto seus oponentes.
A arte de Bolsonaro tem sido compensar a ausência de retransmissões eleitorais tradicionais pelo uso de novas tecnologias para a criação de mecanismos automatizados de propaganda.

Suas equipes produzem conteúdo quase exclusivamente formatado para redes sociais. Esses conteúdos são então distribuídos a uma rede de milhares de grupos do WhatsApp e a muitos perfis pro-Bolsonaro no Facebook. As equipes do candidato criaram perfis falsos que, usando robôs controlados centralmente, transmitem essa propaganda.

A estratégia está valendo a pena porque o Bolsonaro, que teve, em 2014, apenas alguns milhares de seguidores, tem quase 15 milhões hoje. Ele construiu uma estrutura de comunicação direta com dezenas de milhões de eleitores. Seu poder é muito maior que o de qualquer outro meio. No entanto, robôs e grupos do WhatsApp não são suficientes para invadir redes.

Seu verdadeiro segredo está na aliança entre a arquitetura dessas redes e o conteúdo inflamatório, sensacional e controverso que ele destila. Estudos do sociólogo Paolo Gerbaudo, do Kings College, em Londres, mostram que tal conteúdo estimula o compartilhamento e sua disseminação. Mas para isso, Bolsonaro tem um dom inegável: até conseguiu chocar a filha de Jean-Marie Le Pen! O futuro presidente virtual do Brasil é abertamente misógino, homofóbico, racista e defende execuções extrajudiciais, o uso de tortura e a proibição de ONGs. Em suma, ele defende o fim da democracia liberal e dos direitos humanos.

Na era da pós-verdade, ele continua a redesenhar os contornos da verdade e da falsidade com mensagens que se propagam viralmente através das redes sociais. Ainda mais eficaz que Trump, ele conseguiu "falsificar" os sinais de corrupção encontrados contra ele pelos principais jornais brasileiros.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247