Miriam Leitão: STF deveria ter afastado Cunha antes

Com isso, diz ela, haveria menos dúvidas sobre o processo de impeachment: “De todo modo, seria preferível que o Supremo Tribunal Federal tivesse afastado Cunha, quando o procurador-geral da República pediu. O país teria sido poupado da dúvida que se instalou no processo de impeachment e que vem sendo explorado pelo PT”, diz a colunista 

Com isso, diz ela, haveria menos dúvidas sobre o processo de impeachment: “De todo modo, seria preferível que o Supremo Tribunal Federal tivesse afastado Cunha, quando o procurador-geral da República pediu. O país teria sido poupado da dúvida que se instalou no processo de impeachment e que vem sendo explorado pelo PT”, diz a colunista 
Com isso, diz ela, haveria menos dúvidas sobre o processo de impeachment: “De todo modo, seria preferível que o Supremo Tribunal Federal tivesse afastado Cunha, quando o procurador-geral da República pediu. O país teria sido poupado da dúvida que se instalou no processo de impeachment e que vem sendo explorado pelo PT”, diz a colunista  (Foto: Roberta Namour)

247 – Para a colunista Miriam Leitão, o STF deveria ter afastado Eduardo Cunha antes. Com isso, diz ela, haveria menos dúvidas sobre o processo de impeachment:

“De todo modo, seria preferível que o Supremo Tribunal Federal tivesse afastado Cunha, quando o procurador-geral da República pediu. O país teria sido poupado da dúvida que se instalou no processo de impeachment e que vem sendo explorado pelo PT”, diz a colunista.

Ela afirma ainda que a renúncia de Cunha não resolve o problema porque, “por mais nefasta que fosse a sua presença no comando da Câmara dos Deputados, ele não resume todo o drama político vivido pelo país. O eleitor não confia mais nos eleitos, a Câmara não conseguiu se defender dos desmandos, e nada a protege contra outra escolha insensata”.

O Brasil 247 quer a sua ajuda para tomar decisões importantes. Participe da pesquisa

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247