Moro já defendeu uso de provas ilícitas, lembra Florestan

Nos 4 anos em que esteve à frente da operação Lava Jato, Moro defendeu ato de quem infringe a lei “sem intenção de cometer crime” para obter provas ilícitas. Sendo assim, qual a diferença entre as gravações obtidas e divulgadas por ele e as publicadas pelo The Intercept Brasil?, postou o jornalista

Florestan: se o Brasil fosse um país sério, a eleição de 2018 seria cancelada
Florestan: se o Brasil fosse um país sério, a eleição de 2018 seria cancelada

247 – O jornalista Florestan Fernandes Júnior recuperou reportagem do jornal Estado de S. Paulo que prova que o ex-juiz Sergio Moro já defendeu o uso de provas ilícitas, quando isso atende ao interesse público. Confira seu tweet e também reportagem da Reuters:

Moro, no passado, pensava diferente

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro rasgou elogios nesta segunda-feira ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, durante cerimônia de assinatura de uma medida provisória e afirmou que é uma honra, um orgulho e uma satisfação ter o ex-juiz responsável pela operação Lava Jacto em Curtiria em sua equipe de ministros.

A exaltação do presidente a seu auxiliar acontece em meio às divulgações de supostas mensagens trocadas por Moro com procuradores que atuam na Lava Jacto na capital paramentes e que indicariam uma colaboração do então juiz com os integrantes do Ministério Público Federal.

As declarações do presidente foram feitas durante a cerimônia de assinatura de uma medida provisória que permite o confisco de bens de traficantes, realizada no Palácio do Planalto com a presença de Moro, que também discursou, limitando-se a tratar da MP.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247