Nassif: a Lava Jato foi a falência da imprensa conservadora e de entidades de jornalistas

O jornalista Luis Nassif denuncia o papel colaboracionista que a Abraji, a Associação Brasileira do Jornalismo Investigativo, teve com a Lava Jato.

Luis Nassif, Moro e Dallagnol
Luis Nassif, Moro e Dallagnol (Foto: Felipe L. Gonçalves/Brasil247 | ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Luis Nassif afirmou, durante o Boa Noite 247, que “não houve apenas uma falência da imprensa [durante a Lava Jato], mas de entidades representativas dos jornalistas”. Ele citou especialmente a Abraji, a Associação Brasileira do Jornalismo Investigativo, por seu papel colaboracionista com a operação de Moro-Dallagnol. 

“Ela enaltecia em todos os momentos Moro e Dallagnol. A Abraji e os jornalistas ligados a ela toda hora comparavam o que faziam com a atividade de um WikiLeaks e outros, como se estivessem no  mesmo nível”, afirmou Nassif. E acrescentou: “era uma evidente distorção: enquanto o WikiLeaks arrancava informações secretas das autoridades, a Abraji e esses jornalistas recebiam das autoridades as informações e davam tratamento de furo jornalístico". Eram mera correia de transmissão do que recebiam da Lava Jato”. 

Para Nassif, “a Abraji tem ligações umbilicais dos grupos de mídia conservadores, muito diferente de uma ABI (Associação Brasileira de Imprensa)”. Ele pondera que a entidade precisará repensar seu papel.

Assista ao Boa Noite 247:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email