Nassif critica ‘arbítrio inédito’ do Judicário

"Com o Século do Judiciário, o que se vê, em nível global, é o arbítrio sendo exercido de uma forma inédita justamente pelo poder incumbido de trazer as luzes", diz o jornalista Luis Nassif no Jornal GGN; "O século do Judiciário gerou a maior ameaça à  democracia desde a ascensão do nazismo", acrescenta

Nassif critica ‘arbítrio inédito’ do Judicário
Nassif critica ‘arbítrio inédito’ do Judicário (Foto: Dir.: Fabio Pozzebom - ABR)

247 - "Com o Século do Judiciário, o que se vê, em nível global, é o arbítrio sendo exercido de uma forma inédita justamente pelo poder incumbido de trazer as luzes", diz o jornalista Luis Nassif no Jornal GGN. "A desmoralização da democracia representativa, dos partidos políticos, a ampliação da cooperação internacional, fizeram com que Ministérios Públicos e Judiciários de vários países passassem a instrumentalizar seus poderes constitucionais, cometendo toda sorte de abusos e sendo alimentados pela malta que passou a vociferar através das redes sociais".

De acordo com o jornalista, "país sem tradição democrática, o Brasil comprometeu a própria democracia, tendo como episódios trágicos o impeachment e a prisão política de Lula. O plantio pertinaz das sementes do arbítrio não foram praticadas por  jovens procuradores concurseiros, mas por Ministros do STF, como Joaquim Barbosa, Ayres Brito, Carmen Lúcia, o indizível Luis Roberto Barroso, de Procuradores Gerais, como Antonio Fernando de Souza, Roberto Gurgel, Rodrigo Janot, todos encantados com seus novos poderes, e sem um pingo de responsabilidade em relação à Constituição, às leis, ao país".

"O século do Judiciário gerou a maior ameaça à  democracia desde a ascensão do nazismo", acrescenta.

Leia a íntegra no Jornal GGN

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247