Noblat terá de indenizar Renan em R$ 50 mil

Decisão é do Superior Tribunal de Justiça; jornalista Ricardo Noblat terá de fazer o pagamento ao presidente do Senado, Renan Calheiros, a título de reparação de danos morais, por tê-lo chamado, em seu blog, de "mentiroso, patife, corrupto, pervertido"; senador alegou que  sua honra foi abalada com as publicações 

Decisão é do Superior Tribunal de Justiça; jornalista Ricardo Noblat terá de fazer o pagamento ao presidente do Senado, Renan Calheiros, a título de reparação de danos morais, por tê-lo chamado, em seu blog, de "mentiroso, patife, corrupto, pervertido"; senador alegou que  sua honra foi abalada com as publicações 
Decisão é do Superior Tribunal de Justiça; jornalista Ricardo Noblat terá de fazer o pagamento ao presidente do Senado, Renan Calheiros, a título de reparação de danos morais, por tê-lo chamado, em seu blog, de "mentiroso, patife, corrupto, pervertido"; senador alegou que  sua honra foi abalada com as publicações  (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

STJ - O jornalista Ricardo Noblat deve pagar ao senador Renan Calheiros a quantia de R$ 50 mil, a título de reparação de danos morais, por tê-lo chamado, em notícias veiculadas em seu blog, de "mentiroso, patife, corrupto, pervertido", entre outros xingamentos. A decisão é da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Na ação, Renan Calheiros sustentou que sua honra foi abalada pelas publicações no blog do jornalista, nas quais se afirmou que ele mentiu em discurso feito no Senado, omitiu bens à Receita Federal, usou "laranja" para compra de veículos de comunicação, simulou tomada de empréstimos e beneficiou empresa de lobista. Em meio a outros xingamentos, o político foi tachado de "corrupto, patife e covarde".

Em sua contestação, o jornalista alegou a inexistência de qualquer ofensa ou inverdade nas matérias publicadas, uma vez que os fatos narrados foram amplamente divulgados por toda a imprensa nacional, bem como investigados pela Polícia Federal. Afirmou que não haveria danos passíveis de compensação.

Sem intenção

A sentença entendeu que não ficou demonstrada a intenção de ofender ou injuriar, nem mesmo evidenciado excesso culposo a partir da análise das publicações veiculadas no blog. No entendimento do juiz de primeiro grau, "não há que se falar em indenização por danos morais, pois o homem público está sujeito a críticas, porquanto inerentes ao sistema democrático, necessárias ao aperfeiçoamento das instituições".

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDF) manteve a sentença, entendendo que "os conteúdos disponibilizados pelo apelado (Noblat) em seu blog eram de conhecimento público e se basearam em diversos outros meios de comunicação que, em meados de 2007, deram ampla cobertura aos fatos".

No STJ, a defesa de Calheiros afirmou que houve claro abuso do direito de informação e ofensa à sua honra no uso das expressões "patife, corrupto, pervertido, depravado, velhaco, pusilânime, covarde", e também quando o jornalista afirmou que o senador teria "superado seus próprios recordes de canalhices". Argumentou, ainda, que a sua condição de homem público não justifica o uso de expressões altamente ofensivas.

Abuso

Em seu voto, a relatora do caso, ministra Nancy Andrighi, afirmou que, em se tratando de questões políticas e de pessoa pública, como um senador da República, é natural que haja exposição à opinião e à crítica dos cidadãos e da imprensa. Entretanto, não se pode tolerar que essa crítica desvie para ofensas pessoais.

Ela ressaltou que, embora na maior parte das publicações de seu blog o jornalista tenha sido diligente na divulgação das informações sobre as investigações em andamento, ao proferir xingamentos à pessoa do senador, acabou ultrapassando a linha tênue existente entre a liberdade de expressão e a ofensa aos direitos da personalidade de outrem.

"O exercício da crítica, bem como o direito à liberdade de expressão, não pode ser usado como pretexto para atos irresponsáveis, como os xingamentos, porque isso pode implicar mácula de difícil reparação à imagem de outras pessoas – o que é agravado para aquelas que têm pretensões políticas, que, para terem sucesso nas urnas, dependem da boa imagem pública perante seus eleitores", disse a ministra Andrighi.

E continuou: "Ao contrário do que entenderam o juízo de primeiro grau e o tribunal de origem, convém não esquecer que pessoas públicas e notórias não deixam, só por isso, de ter o resguardo de direitos da personalidade."

Ao reconhecer o dano moral causado ao senador, a ministra fixou a reparação em R$ 50 mil, corrigidos monetariamente a partir da data do julgamento na Terceira Turma e acrescidos de juros de mora de 1% ao mês, a contar do evento danoso.

A decisão foi unânime.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email