Nova aposta de Veja é a delação de Delcídio

Retratado como "A testemunha" na capa deste fim de semana, senador Delcídio Amaral (PT-MS) é a nova esperança de Veja para envolver o ex-presidente Lula na Lava Jato e também provocar um impeachment da presidente Dilma Rousseff; segundo a revista, Delcídio não estaria defendendo apenas seus próprios interesses e do banqueiro André Esteves ao negociar o silêncio de Nestor Cerveró; ele atuaria em missão partidária para conter danos a Lula e ao Palácio do Planalto; no entanto, até agora não há nenhuma evidência concreta de que Delcídio esteja disposto a se tornar delator

Retratado como "A testemunha" na capa deste fim de semana, senador Delcídio Amaral (PT-MS) é a nova esperança de Veja para envolver o ex-presidente Lula na Lava Jato e também provocar um impeachment da presidente Dilma Rousseff; segundo a revista, Delcídio não estaria defendendo apenas seus próprios interesses e do banqueiro André Esteves ao negociar o silêncio de Nestor Cerveró; ele atuaria em missão partidária para conter danos a Lula e ao Palácio do Planalto; no entanto, até agora não há nenhuma evidência concreta de que Delcídio esteja disposto a se tornar delator
Retratado como "A testemunha" na capa deste fim de semana, senador Delcídio Amaral (PT-MS) é a nova esperança de Veja para envolver o ex-presidente Lula na Lava Jato e também provocar um impeachment da presidente Dilma Rousseff; segundo a revista, Delcídio não estaria defendendo apenas seus próprios interesses e do banqueiro André Esteves ao negociar o silêncio de Nestor Cerveró; ele atuaria em missão partidária para conter danos a Lula e ao Palácio do Planalto; no entanto, até agora não há nenhuma evidência concreta de que Delcídio esteja disposto a se tornar delator (Foto: Leonardo Attuch)

247 – Em vários episódios da Operação Lava Jato, a revista Veja previu que algum dos atingidos fecharia um acordo de delação premiada que seria devastador ou para a presidente Dilma Rousseff, ou para o ex-presidente Lula.

Foi assim com o empresário Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia, e também com o executivo Léo Pinheiro, da OAS.

Agora, o "futuro delator" é ninguém menos que o senador Delcídio Amaral (PT-MS), preso na semana passada pelo ministro Teori Zavascki, quando se descobriu que ele negociava o silêncio de Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras, para beneficiar a si e ao banqueiro André Esteves, do BTG Pactual.

Na capa de Veja desta semana, Delcídio foi retratado como "A testemunha", que teria guardados todos os segredos da era petista – do "mensalão", quando foi relator da CPI dos Correios, ao "petrolão".

Veja argumenta ainda que Delcídio não estaria defendendo apenas seus próprios interesses e do banqueiro André Esteves ao negociar o silêncio de Nestor Cerveró – ele atuaria em missão partidária para conter danos a Lula e ao Palácio do Planalto.

No entanto, até agora não há nenhuma evidência concreta de que Delcídio esteja disposto a se tornar delator. Mas quem também aposta em sua delação é jornalista Renato Rovai, editor da revista Fórum.

"O senador Delcídio Amaral está longe de ser um dirigente ou um quadro partidário. Sempre foi um outsider da política que se movia por interesses próprios. E agora, descobriu-se, também privados. Uma pessoa com essa característica não tem compromisso com projetos e nem com coletivos, mas com sua pele", escreveu Rovai (leia aqui sua análise).

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247