NYT: reformas de Temer são “pressão sobre os menos favorecidos”

Jornal norte-americano The New York Times critica a "desigualdade" nas reformas fiscais em curso no Brasil; jornal relata que, enquanto os trabalhadores terão benefícios cortados, juízes e políticos têm aumentos de salários e cita que o Congresso, "em vias de aprovar uma reforma previdenciária", agora está permitindo que seus membros obtenham pensão vitalícia depois de apenas dois anos; para o jornal americano, o governo defende que todos precisam aderir ao programa de austeridade, mas sua postura indica que "a pressão é sobre os menos favorecidos"

Jornal norte-americano The New York Times critica a "desigualdade" nas reformas fiscais em curso no Brasil; jornal relata que, enquanto os trabalhadores terão benefícios cortados, juízes e políticos têm aumentos de salários e cita que o Congresso, "em vias de aprovar uma reforma previdenciária", agora está permitindo que seus membros obtenham pensão vitalícia depois de apenas dois anos; para o jornal americano, o governo defende que todos precisam aderir ao programa de austeridade, mas sua postura indica que "a pressão é sobre os menos favorecidos"
Jornal norte-americano The New York Times critica a "desigualdade" nas reformas fiscais em curso no Brasil; jornal relata que, enquanto os trabalhadores terão benefícios cortados, juízes e políticos têm aumentos de salários e cita que o Congresso, "em vias de aprovar uma reforma previdenciária", agora está permitindo que seus membros obtenham pensão vitalícia depois de apenas dois anos; para o jornal americano, o governo defende que todos precisam aderir ao programa de austeridade, mas sua postura indica que "a pressão é sobre os menos favorecidos" (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O jornal norte-americano The New York Times critica a "desigualdade" nas reformas fiscais em curso no Brasil. Em reportagem publicada na sexta-feira, 3, o jornal relata que, enquanto os trabalhadores terão benefícios cortados, juízes e políticos têm aumentos de salários e cita que o Congresso, "em vias de aprovar uma reforma previdenciária", agora está permitindo que seus membros obtenham pensão vitalícia depois de apenas dois anos.

O texto lembra que Michel Temer defende o corte de gastos, mas não ajudou a sua popularidade realizar um "banquete pago com dinheiro de contribuintes" para persuadir os deputados a aprovarem suas reformas. Para o NYT, embora alguns sinais de recuperação econômica tenham surgido, a situação do povo nas ruas "conta uma história diferente".

A partir do depoimento de personagens, o jornal afirma que o governo defende que todos precisam aderir ao programa de austeridade, mas sua postura indica que "a pressão é sobre os menos favorecidos". Menciona que uma das principais "conquistas" do governo Temer - a aprovação de um teto para os gastos públicos - é também um dos seus calcanhares de Aquiles.

"O sistema tem tudo para aumentar a desigualdade, mas Temer está minimizando a ideia de que o Brasil precisa de uma reforma no estilo grego", comenta Pedro Paulo Zahluth Bastos, economista da Unicamp. A falta de cobrança de impostos sobre os rendimentos de proprietários de ações também é citada como um dos pontos críticos.

PUBLICIDADE

A reportagem do correspondente Simon Romero também cita a situação financeira do Rio de Janeiro, que é vista como um "case" da seriedade do problema no Brasil. Em função do descontentamento da população, completa o jornal, políticos ultraconservadores como Jair Bolsonaro vem ganhando espaço no País.

Leia em inglês a reportagem do New York Times.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email