Para Jânio de Freitas, governo Temer é caso de polícia

Para o colunista Jânio de Freitas, as últimas ações de Michel Temer e seus aliados não deixam dúvidas, o governo é caso de polícia: "Mais de um mês de predomínio do noticiário pelas façanhas de Temer. Só mesmo chamando a polícia. É o que foi feito. À falta de mais imaginação, a Polícia Federal sacou um 'relatório parcial', logo 'vazado' para imprensa e TV. Pronto, Lula voltou à proeminência do noticiário. Acompanhado, como convém, por Dilma Rousseff. E, de quebra, Aloizio Mercadante"

Para o colunista Jânio de Freitas, as últimas ações de Michel Temer e seus aliados não deixam dúvidas, o governo é caso de polícia: "Mais de um mês de predomínio do noticiário pelas façanhas de Temer. Só mesmo chamando a polícia. É o que foi feito. À falta de mais imaginação, a Polícia Federal sacou um 'relatório parcial', logo 'vazado' para imprensa e TV. Pronto, Lula voltou à proeminência do noticiário. Acompanhado, como convém, por Dilma Rousseff. E, de quebra, Aloizio Mercadante"
Para o colunista Jânio de Freitas, as últimas ações de Michel Temer e seus aliados não deixam dúvidas, o governo é caso de polícia: "Mais de um mês de predomínio do noticiário pelas façanhas de Temer. Só mesmo chamando a polícia. É o que foi feito. À falta de mais imaginação, a Polícia Federal sacou um 'relatório parcial', logo 'vazado' para imprensa e TV. Pronto, Lula voltou à proeminência do noticiário. Acompanhado, como convém, por Dilma Rousseff. E, de quebra, Aloizio Mercadante" (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Para o colunista Jânio de Freitas, as últimas ações de Michel Temer e seus aliados não deixam dúvidas, o governo é caso de polícia: "Mais de um mês de predomínio do noticiário pelas façanhas de Temer. Só mesmo chamando a polícia. É o que foi feito. À falta de mais imaginação, a Polícia Federal sacou um 'relatório parcial', logo 'vazado' para imprensa e TV. Pronto, Lula voltou à proeminência do noticiário. Acompanhado, como convém, por Dilma Rousseff. E, de quebra, Aloizio Mercadante".

"No episódio, ilegal foi a conduta de Sergio Moro. Três vezes: ao desprezar o excedente de mais de duas horas entre o prazo de escuta telefônica, por ele mesmo fixado, e o telefonema gravado pela PF; ao divulgar, ele próprio, a gravação ilegal; e fazer o mesmo, sem razão para isso, com uma conversa entre Marisa Lula da Silva e um filho.

O decano pouco liberal do Supremo, Celso de Mello, mencionou na semana passada que foro privilegiado, por transferência de um processo para o Supremo, não interfere e muito menos interrompe o processo. Muda o nível de tramitação, não mais. Deveria ser verdade. Mas é só meia verdade. Porque no Supremo vale para alguns, como Temer e Moreira Franco. Para outros, não, como negado para Lula e, por extensão, para Dilma. Feito de Gilmar Mendes, ministro à direita de Celso de Mello.

Os cursos de Direito precisam acabar com o ensino de leis e de como as empregar. O que vale hoje, está visto, são os truques, capazes até de tirar um presidente da República que as leis não puniram."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247