Reinaldo: STF não vai ignorar revelações do conluio entre Moro e Dallagnol

"O que é inconteste? Lula ou qualquer outra pessoa que tenham sido prejudicadas por práticas irregulares de juiz e procuradores têm de receber a devida reparação na Justiça, pouco importando se o fato que o justifica veio à luz de forma legal ou ilegal", escreve o jornalista Reinaldo Azevedo, ao comentar as revelações sobre o conluio entre Sérgio Moro e Deltan Dallagnol na farsa contra Lula; "A responsabilização penal, no entanto, dos envolvidos nas irregularidades não pode estar assentadas em provas ilegais"

Reinaldo: STF não vai ignorar revelações do conluio entre Moro e Dallagnol
Reinaldo: STF não vai ignorar revelações do conluio entre Moro e Dallagnol
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Reinaldo Azevedo comentou nesta terça-feira, 11, a declaração do ministro Gilmar Mendes, de que uma prova obtida ilegalmente não necessariamente é nula para todos os efeitos. 

Reinaldo criticou as revelações do The Intercept de que o ex-juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol atuaram em conluio na ação que condenou o ex-presidente Lula. "Será que, ao analisar as petições de Lula que estão no Supremo, os senhores ministros podem ignorar os diálogos trazidos à luz pelo 'The Intercept Brasil'? A resposta, obviamente, é 'não'. Afinal, os dados são de conhecimento público e dizem respeito ao público", diz Reinaldo em seu blog no UOL

No entanto, argumenta o jornalista, situação diferente seria recorrer às evidências trazidas para responsabilizar Moro e Dallagnol na esfera penal. "Nesse caso, cabe evocar o que dispõe a Constituição sobre as provas ilícitas", avalia. 

"Dito de outra maneira: o que é inconteste? Lula ou qualquer outra pessoa que tenham sido prejudicadas por práticas irregulares de juiz e procuradores têm de receber a devida reparação na Justiça, pouco importando se o fato que o justifica veio à luz de forma legal ou ilegal. A responsabilização penal, no entanto, dos envolvidos nas irregularidades não pode estar assentadas em provas ilegais", diz o jornalista.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247