Sakamoto: colapso em Manaus não é acidente, mas fruto do projeto bolsonarista

Jornalista Leonardo Sakamoto destaca que, ao saber da falta de oxigênio em Manaus (AM), Jair Bolsonaro "mais uma vez, plantou irresponsabilidade ao incentivar as pessoas a ignorarem o isolamento social e a aglomerarem-se"

Leonardo Sakamoto e Jair Bolsonaro
Leonardo Sakamoto e Jair Bolsonaro (Foto: Senado | ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Manaus está sem oxigênio em hospitais. Pacientes estão sufocando. O aumento súbito na demanda por leitos de UTIs para covid-19 e por oxigênio ocorre duas semanas após as festas de final de ano", destaca o jornalista Leonardo Sakamoto. 

"Nesse período, o presidente da República, mais uma vez, plantou irresponsabilidade ao incentivar as pessoas a ignorarem o isolamento social e a aglomerarem-se", continua. "Medalhista na modalidade Arremesso de Responsabilidade à Distância, o presidente correu para jogar a culpa apenas nas costas do governo estadual e da prefeitura local", acrescenta. 

De acordo com o jornalista, "é um atestado de incompetência carimbado na testa o fato de que o alerta da falta de oxigênio seja tanto a asfixia de doentes quanto a tortura física e psicológica de profissionais de saúde, obrigados a ventilar manualmente pacientes para afastá-los da morte". 

"O salto de internações e óbitos em Manaus não é uma situação isolada, portanto, mas o prenúncio de que vem por aí uma evitável colheita de óbitos. Há nuvens escuras no horizonte. Parece uma tempestade".

Leia a íntegra da Blog do Sakamoto

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email