Sakamoto: preso pobre em estado grave também deveria se tratar em casa

"Diante de defensorias subdimensionadas há um déficit no direito de defesa dos mais pobres", diz o jornalista Leonardo Sakamoto; "E quando eles conseguem, não raro os pedidos de tratamento domiciliar são negados por juízes, desembargadores e ministros. Mutirões carcerários do Conselhos Nacional de Justiça têm um papel importante na identificação e encaminhamento dos casos graves, mas precisamos de uma política que seja contínua"

"Diante de defensorias subdimensionadas há um déficit no direito de defesa dos mais pobres", diz o jornalista Leonardo Sakamoto; "E quando eles conseguem, não raro os pedidos de tratamento domiciliar são negados por juízes, desembargadores e ministros. Mutirões carcerários do Conselhos Nacional de Justiça têm um papel importante na identificação e encaminhamento dos casos graves, mas precisamos de uma política que seja contínua"
"Diante de defensorias subdimensionadas há um déficit no direito de defesa dos mais pobres", diz o jornalista Leonardo Sakamoto; "E quando eles conseguem, não raro os pedidos de tratamento domiciliar são negados por juízes, desembargadores e ministros. Mutirões carcerários do Conselhos Nacional de Justiça têm um papel importante na identificação e encaminhamento dos casos graves, mas precisamos de uma política que seja contínua" (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Jornalista Leonardo Sakamoto diz que, após o Supremo Tribunal Federal conceder prisão domiciliar ao deputado afastado Paulo Maluf (PP-SP), condenado por lavagem de dinheiro, afirma que, atualmente, "diante de defensorias subdimensionadas há um déficit no direito de defesa dos mais pobres".

"E quando eles conseguem, não raro os pedidos de tratamento domiciliar são negados por juízes, desembargadores e ministros. Mutirões carcerários do Conselhos Nacional de Justiça têm um papel importante na identificação e encaminhamento dos casos graves, mas precisamos de uma política que seja contínua", escreve.

Segundo o jornalista, "tendo em vista o número de mortos por doenças nas prisões, as condições precárias de vida, a falta de atendimento médico suficiente, qualquer pessoa condenada em estado grave deveria ter o direito de ir para casa se tratar. Ricos e pobres". "Isso não significa indulto ou perdão e duraria o tempo do tratamento. Até porque, o Brasil não prevê a pena de morte em tempos de paz. Pelo menos no papel".

Leia a íntegra no Blog do Sakamoto

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247