Sérgio Amadeu acredita que equipe trabalhou para espionar Lava Jato

O cientista político e professor da UFABC Sérgio Amadeu acredita na hipótese de uma equipe - americana, israelense ou brasileira - que já vinha espionando os integrantes da Lava Jato e selecionou um período dos diálogos para vazar o conteúdo entregue ao Intercept; para ele, é "muito difícil" que tenha sido um hacker, dado o volume do material; assista sua entrevista à TVT

Sérgio Amadeu acredita que equipe trabalhou para espionar Lava Jato
Sérgio Amadeu acredita que equipe trabalhou para espionar Lava Jato
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O cientista político e professor da UFABC Sérgio Amadeu acredita na hipótese de uma equipe - americana, israelense ou brasileira - que já vinha espionando os integrantes da Lava Jato e selecionou um período dos diálogos para vazar o conteúdo entregue ao Intercept. Para ele, é "muito difícil" que tenha sido um hacker, dado o volume do material. "O Telegram, ao contrário do WhatSapp, guarda as mensagens do servidor dele. Ele (o aplicativo) tem um servidor fora do Brasil e as mensagens estão lá. No WhatSapp as mensagens ficam no celular as pessoas. O que ele (O Telegram) disseram é que eles não foram invadidos lá (no servidor)", afirmou o analista. 

Segundo o cientista político, "provavelmente uma equipe de uma agência americana, israelense ou brasileira que estava monitorando os garotos da Lava Jato" levantou o material sobre as trocas de mensagens do ex-juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça, com procuradores do Ministério Público Federal (MPF-PR). O analista criticou a Globo. O que a emissora falou do jornalista Glenn Greenwald "não tem a menor procedência", avaliou.

Greenwald, editor chefe do portal The Intercept, rebateu a postura da Rede Globo, dizendo que, "ao difamá-lo, o objetivo da emissora é claro: distrair a atenção da substância das reportagens que expõe sérios desvios na conduta de Moro, Deltan, e a força-tarefa da Lava Jato". "Não ajudarei nesse esforço", afirmou o jornalista, após a emissora da família Marinho dizer ter sido procurada por ele para divulgar as conversas de Moro. Segundo a nota, a Globo teria negado a oferta, afirmando que publicaria se soubesse do que se tratava e que o jornalista não teria aceitado a condição. (Leia mais aqui). 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247