Serra “decreta” queda de juros. Viva a independência do Banco Central!

"José Serra, para variar, meteu o bedelho na política econômica do Governo, para o silencioso desespero de Henrique Meirelles", diz Fernando Brito, editor do Tijolaço; "Aguarda-se, apenas,  o retumbante pronunciamento de Marina Silva em defesa da independência do Banco Central contra as interferências políticas, outro acontecimento de relevo nas finanças e na produção brasileiras", ironiza

Brasilia- - O candidato  a presidencia da republica, JOSÉ SERRA (PSDB) participa de Sessão Plenária do Conselho Federal da OAB
Brasilia- - O candidato a presidencia da republica, JOSÉ SERRA (PSDB) participa de Sessão Plenária do Conselho Federal da OAB (Foto: Leonardo Attuch)

Por Fernando Brito, editor do Tijolaço

José Serra, para variar, meteu o bedelho na política econômica do Governo, para o silencioso desespero de Henrique Meirelles, o “quase-todo-poderoso” ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Anunciou que o Banco Central vai baixar os juros, em razão da queda (?) da inflação.

Como a matéria é  numérica, cabe checar o que diz o “presidente adjunto” do Banco Central e as taxas, de juros e de inflação, do longo e criminoso período em que a autoridade monetária manteve a taxa Selic em 14,25%.

Um período que começou no dia 29 de julho do ano passado.

Há duas maneiras de analisar, pela inflação passada – que remunera parte dos títulos públicos já em mercado- e pela expectativa de inflação, que sugere o “prêmio” que será pago ao investido que, naquele momento, pelo comprador dos títulos.

Estes prêmios – o passado e o futuro – são, simplificadamente quantificados pela diferença entre as duas taxas: quando mais renderam os juros do que a inflação fez o dinheiro perder valor.

Em julho do ano passado, quando se estabeleceram os 14,5%, a inflação em 12 meses era de 9,56% em 12 meses.

Hoje, com os mesmos 14,5%, a taxa de inflação acumulada em um ano está em cerca de 8,5%.

Portanto, o juro real ( Selic – IPCA) já está maior em cerca de 1%.

Se usarmos o critério da expectativa da inflação (tomando como fonte o Boletim Focus, do BC, que apura as previsões das instituições financeiras) tem-se as seguintes diferenças.

No final de julho do ano passado – em um erro evidente – o “mercado” projetava uma taxa de inflação para os 12 meses seguintes de 5,67%.

Durante todo o período em que a inflação excedeu estas previsões, os juros reais foram – embora enormes – menores que o ganho esperado pelo mercado.

E estes ganhos foram se ampliando desde abril, quando o garrote da crise começou  reduzir as taxas de inflação.

Hoje, a expectativa de inflação para os 12 meses a seguir é de 5,07%, meio ponto menor do que esperavam há um ano, para os mesmos 14,25%, imutáveis.

Não é preciso ser genial para ver que a taxa de juros reais  subiu, embora a nominal permaneça inalterada.

A possível redução em 0,25% ou até 0,5% da taxa Selic, portanto, quer dizer pouco ou nada.

Mais ou menos tanto quanto José Serra tem a dizer em matéria de economia.

Aguarda-se, apenas,  o retumbante pronunciamento de Marina Silva em defesa da independência do Banco Central contra as interferências políticas, outro acontecimento de relevo nas finanças e na produção brasileiras.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247