Sleeping Giants começa a tirar o sono de Wajngarten com ativismo anti-fake news

O perfil Sleeping Giants, grupo ativista que busca dissuadir empresas a anunciarem em perfis que propagam fake news, começa a incomodar o governo Bolsonaro e sua indústria de mentiras no Twitter. Várias empresas estão cancelando anúncios em sites ligados ao governo, o que fez até o secretário Fábio Wajngarten tentar ‘contornar problemas’

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Nessa semana surgiu no Twiter brasileiro um perfil que tem denunciado e exposto empresas que mantém publicidade, por meio do Google AdSense, em sites que propagam fake news e discurso de ódio. 

A reportagem do site Congresso em Foco destaca que “a exposição tem feito diversas empresas cancelarem os anúncios. O Banco do Brasil foi um desses. Após a instituição financeira afirmar que cancelaria os anúncios nestes sites, o bolsonarista Leandro Ruschel fez uma publicação na plataforma reclamando da atitude e marcando o presidente Jair Bolsonaro e a Secretaria de Comunicação Social da Presidência (Secom). “

A matéria ainda sublinha que “o que levou o secretário de comunicação do Governo, Fábio Wajngarten, a afirmar que tentaria "contornar" a situação. Devido a essa afirmativa, deputados de oposição entraram com uma representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o secretário. "No dia 20 de maio, Leandro Ruschel retweetou resposta do Banco do Brasil ao perfil, Sleeping Giants, movimento da sociedade civil que expõe empresas que veiculam publicidade em sítios eletrônicos com conteúdo falso ou extremista. Ruschel dirigiu sua publicação ao Presidente da República e à Secretaria Especial de Comunicação Social (SECOM), informando-lhes que referida instituição financeira estaria discriminando site jornalístico conservador em razão de denúncia feita por perfil anônimo e destituída de provas, 'aparentemente ligado à esquerda.' Ao final assevera: 'É preciso rever essa decisão'", aponta a denúncia.”

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247