Temer na TV acha que ‘fatura’ por militares; amanhã, na avenida, vira chacota

"Anuncia-se, para hoje à noite, um pronunciamento de Michel Temer, em rede de televisão, destinado a autolouvar-se por ter decretado a intervenção federal na área de segurança do Rio de Janeiro. Amanhã, o seu sósia, o neotumbeiro "Vampirão" será motivo de chacota na Passarela do Samba. Um é a razão de ser do outro", diz o jornalista Fernando Brito no Tijolaço

"Anuncia-se, para hoje à noite, um pronunciamento de Michel Temer, em rede de televisão, destinado a autolouvar-se por ter decretado a intervenção federal na área de segurança do Rio de Janeiro. Amanhã, o seu sósia, o neotumbeiro "Vampirão" será motivo de chacota na Passarela do Samba. Um é a razão de ser do outro", diz o jornalista Fernando Brito no Tijolaço
"Anuncia-se, para hoje à noite, um pronunciamento de Michel Temer, em rede de televisão, destinado a autolouvar-se por ter decretado a intervenção federal na área de segurança do Rio de Janeiro. Amanhã, o seu sósia, o neotumbeiro "Vampirão" será motivo de chacota na Passarela do Samba. Um é a razão de ser do outro", diz o jornalista Fernando Brito no Tijolaço (Foto: Romulo Faro)

Por Fernando Brito, no Tijolaço - Anuncia-se, para hoje à noite, um pronunciamento de Michel Temer, em rede de televisão, destinado a autolouvar-se por ter decretado a intervenção federal na área de segurança do Rio de Janeiro.

Amanhã, o seu sósia, o neotumbeiro "Vampirão" será motivo de chacota na Passarela do Samba.

Um é a razão de ser do outro.

É desprezo público que lhe é votado – algo lhe votam, afinal – que dirige seus atos, porque ver-se desprezível como é de fato perturba e obnubila o cérebro.

Michel Temer é um vaidoso que deseja aplausos e só recebe vaias e isso o torna um elemento perigoso ao país e à democracia.

Ele acha que vai "faturar" com as espalhafatosas operações militares que nos esperam – sim, porque é preciso dar forma "visual" à intervenção.

Engano típico de um transtornado. A água vai é ao moinho de Jair Bolsonaro, porque ajuda a vender a ilusão de que tropa acaba com o crime.

Mas a Temer basta que sirva de cobertura para zerar suas pendências com a Polícia Federal e que a "intelectualidade" medíocre diga que "era preciso fazer alguma coisa, porque estava demais". Óbvio que estava não deixou de estar durante os sete meses que estamos com operações militares autorizadas contra o crime.

A intervenção nada tem a ver com o emprego de forças militares em apoio à segurança que, como se viu, estava autorizada e era praticada desde o final de julho, com a tal "Garantia da Lei e da ordem" que, evidentemente, não tiveram garantia alguma.

A diferença é que se está usando o raciocínio primário de entregar a vida civil ao "controle" militar. Ou ao comando militar, se me faço mais claro assim.

Espera-se que os comandantes militares – bem pouco afeitos a subjetividades, é verdade – entendam que estão sendo manipulados por um projeto político autoritário e que não se prestem a, como os manifestoches, serem guiados pelos cordões do poder real.

Com fardas verdes em lugar de camisas amarelas e fuzis no lugar das panelas e com Jair Bolsonaro a servir-lhes de caricatura. Os militares e suas instituições, ao final das contas, acabam saindo feridos da tarefa que sempre querem lhes dar de "amarrar a vaquinha para outro mamar".

Conheça a TV 247

Mais de Mídia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247