Tereza Cruvinel: a ficha caiu para os golpistas

"Esta foi a semana em que o bloco político-econômico vitorioso em 2016 com a deposição de Dilma Rousseff deu-se conta de que, se nada for feito, apesar de tudo o que fizeram, o PT vai ganhar a eleição com Fernando Haddad", diz a jornalista Tereza Cruvinel, em sua coluna no Jornal do Brasil

Tereza Cruvinel: a ficha caiu para os golpistas
Tereza Cruvinel: a ficha caiu para os golpistas

247 - "Esta foi a semana em que o bloco político-econômico vitorioso em 2016 com a deposição de Dilma Rousseff deu-se conta de que, se nada for feito, apesar de tudo o que fizeram, o PT vai ganhar a eleição com Fernando Haddad", diz a jornalista Tereza Cruvinel, em sua coluna no Jornal do Brasil. "Chame você como quiser a estas forças, é fato que elas hoje têm dois candidatos mas não têm nenhum. Geraldo Alckmin continua empacado apesar do apoio do Centrão. E Bolsonaro, que alguns empresários até já abraçaram como último recurso, chega ao segundo turno mas, dizem as pesquisas, perde para qualquer adversário", acrescenta.

De acordo com a jornalista, "a solução óbvia seria turbinar um terceiro nome que, superando Bolsonaro, chegaria ao segundo turno para enfrentar Haddad, no pressuposto de que ele terá vaga garantida pelo combustível que receberá de Lula".

"E o nome mais indicado seria o de Marina Silva, que habita hoje uma terra do meio ideológica: adotou posições liberais em economia mas é progressista em áreas temáticas e tem compromissos sociais. Ela é a candidata que mais cresce na ausência de Lula, dobrando de tamanho quando ele é tirado do páreo. Chega a 16%, contra 10% de Ciro Gomes (que também dobra o índice mas parte de base inferior). Está isolada no segundo lugar em cenários sem Lula", diz. "Mas isso é hoje, antes da confirmação oficial do ex-prefeito como substituto de Lula. Muitos analistas acham que, quando isso acontecer, Marina e também Ciro sofrerão um significativo esvaziamento.

Leia a íntegra no Jornal do Brasil

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247