Tereza Cruvinel: nudes eleitorais

A jornalista Tereza Cruvinel escreve em sua coluna no Jornal do Brasil: trapalhadas da campanha de Bolsonaro e crescimento de Haddad podem estimular voto útil no primeiro turno; num pleito insólito, o cenário é incerto e "até as pesquisas correm grande risco"

Tereza Cruvinel: nudes eleitorais
Tereza Cruvinel: nudes eleitorais

Tereza Cruvinel em sua coluna "Coisas da Política" - A alta trepidação eleitoral da semana passada terminou com a divulgação da primeira pesquisa que registrou empate técnico entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT): levantamento telefônico do Datapoder360, divulgado na sexta-feira, trouxe o ex-capitão com 26% e o petista com 22%.

E também pela primeira vez, na simulação de segundo turno, Haddad o derrota, por 43% a 40%.

Se este quadro for confirmado por novas pesquisas, estamos num ponto crucial da disputa, que até pode estimular a corrida ao voto útil no primeiro turno, comum nas disputas entre extremos.

Neste ponto cego que o momento sugere, Haddad ganhou terreno, mas a batalha será renhida nestes 15 dias finais. A vantagem do petista no Nordeste (que garantiu as duas vitórias de Dilma) não parece ainda suficiente para suprir sua desvantagem em relação a Bolsonaro nas outras regiões e no chamado triângulo das bermudas, composto pelos estados de Minas, Rio e São Paulo. Haddad encerrou a semana visitando Minas.

Bolsonaro, ainda que não tenha caído ou se estagnado nas próximas pesquisas, encerrou a semana com saldo negativo, tanto na percepção geral como do capital, o mercado e os donos do PIB.

Isso decorreu da profusão de trapalhadas que funcionaram como nudes de campanha, revelando o que realmente pensa seu núcleo duro, e como age.

O apoio do capital a Bolsonaro, ditado mais por antipetismo que por convicção, teria sido abalado principalmente pela barbeiragem do coordenador econômico Paulo Guedes, ao revelar a investidores planos tributários que o candidato jamais apresentou ao distinto eleitorado, tais como a recriação da CPMF e a criação de uma alíquota única para o imposto de renda da pessoa física.

Bolsonaro desmentiu o guru pelas redes sociais e depois o defendeu, cometendo até uma distorção, em sua primeira entrevista telefônica (à Folha de S. Paulo): "A alíquota única do IR para quem ganha mais é uma boa ideia". O que Guedes defendeu foi alíquota única para todos. Vale dizer, quem ganha pouco e quem ganha muito pagariam o mesmo. Ficou a impressão de que nem a sintonia é tão fina entre eles, nem existe plano elaborado.

O candidato a vice, general Mourão, contribuiu com sua coleção de pérolas autoritárias, admitindo autogolpe militar e Constituição sem constituintes eleitos e chamando as famílias chefiadas por mulheres de "fábricas de desajustados". O vice também foi enquadrado.

Um bom arranhão na imagem do candidato foi aplicado pela revista liberal The Economist, com sua matéria de capa em que o aponta como ameaça ao Brasil e ao continente.

Houve ainda os ataques de Alckmin e a carta aberta de Fernando Henrique sobre o perigo dos extremos.

E para completar, soube-se que na mesma reunião em que falou da esconjurada CPMF, Guedes vendeu suas soluções autoritárias e inconstitucionais para o problema da falta de maioria parlamentar na hora de aprovar reformas.

Uma delas seria o "voto partidário programático": se 50% de uma bancada decidir a favor de uma matéria, todos os votos do partido serão contados a favor, ainda que haja dissidências.

Uma aberração, pois estaria suprimida a individualidade do parlamentar e anulada a própria representação dos eleitores que nele votaram.

Guedes disse ainda aos investidores já ter discutido com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, um aumento dos porcentuais de votos exigidos pela cláusula de barreira, o que permitiria a imediata redução dos partidos com assento na Câmara, de 28 para 5. Outra aberração, que Maia até negou ter discutido.

A cláusula já vigora este ano, e se for mudada, só produzirá efeitos em 2023.

Com suas sinceridades, Guedes e Mourão podem ter feito muita ficha cair.

Mas, neste pleito insólito, até as pesquisas correm grande risco.

O bolsonarista envergonhado, que não revela seu voto nem ao pesquisador, existe, e pode surpreender.

A alta trepidação eleitoral da semana passada terminou com a divulgação da primeira pesquisa que registrou empate técnico entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT): levantamento telefônico do Datapoder360, divulgado na sexta-feira, trouxe o ex-capitão com 26% e o petista com 22%. 

E também pela primeira vez, na simulação de segundo turno, Haddad o derrota, por 43% a 40%. 

Se este quadro for confirmado por novas pesquisas, estamos num ponto crucial da disputa, que até pode estimular a corrida ao voto útil no primeiro turno, comum nas disputas entre extremos.

Neste ponto cego que o momento sugere, Haddad ganhou terreno, mas a batalha será renhida nestes 15 dias finais. A vantagem do petista no Nordeste (que garantiu as duas vitórias de Dilma) não parece ainda suficiente para suprir sua desvantagem em relação a Bolsonaro nas outras regiões e no chamado triângulo das bermudas, composto pelos estados de Minas, Rio e São Paulo. Haddad encerrou a semana visitando Minas.

Bolsonaro, ainda que não tenha caído ou se estagnado nas próximas pesquisas, encerrou a semana com saldo negativo, tanto na percepção geral como do capital, o mercado e os donos do PIB. 

Isso decorreu da profusão de trapalhadas que funcionaram como nudes de campanha, revelando o que realmente pensa seu núcleo duro, e como age.

O apoio do capital a Bolsonaro, ditado mais por antipetismo que por convicção, teria sido abalado principalmente pela barbeiragem do coordenador econômico Paulo Guedes, ao revelar a investidores planos tributários que o candidato jamais apresentou ao distinto eleitorado, tais como a recriação da CPMF e a criação de uma alíquota única para o imposto de renda da pessoa física. 

Bolsonaro desmentiu o guru pelas redes sociais e depois o defendeu, cometendo até uma distorção, em sua primeira entrevista telefônica (à Folha de S. Paulo): “A alíquota única do IR para quem ganha mais é uma boa ideia”. O que Guedes defendeu foi alíquota única para todos. Vale dizer, quem ganha pouco e quem ganha muito pagariam o mesmo. Ficou a impressão de que nem a sintonia é tão fina entre eles, nem existe plano elaborado.

O candidato a vice, general Mourão, contribuiu com sua coleção de pérolas autoritárias, admitindo autogolpe militar e Constituição sem constituintes eleitos e chamando as famílias chefiadas por mulheres de “fábricas de desajustados”. O vice também foi enquadrado.

Um bom arranhão na imagem do candidato foi aplicado pela revista liberal The Economist, com sua matéria de capa em que o aponta como ameaça ao Brasil e ao continente. 

Houve ainda os ataques de Alckmin e a carta aberta de Fernando Henrique sobre o perigo dos extremos.

E para completar, soube-se que na mesma reunião em que falou da esconjurada CPMF, Guedes vendeu suas soluções autoritárias e inconstitucionais para o problema da falta de maioria parlamentar na hora de aprovar reformas.

Uma delas seria o “voto partidário programático”: se 50% de uma bancada decidir a favor de uma matéria, todos os votos do partido serão contados a favor, ainda que haja dissidências. 

Uma aberração, pois estaria suprimida a individualidade do parlamentar e anulada a própria representação dos eleitores que nele votaram. 

Guedes disse ainda aos investidores já ter discutido com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, um aumento dos porcentuais de votos exigidos pela cláusula de barreira, o que permitiria a imediata redução dos partidos com assento na Câmara, de 28 para 5. Outra aberração, que Maia até negou ter discutido. 

A cláusula já vigora este ano, e se for mudada, só produzirá efeitos em 2023.

Com suas sinceridades, Guedes e Mourão podem ter feito muita ficha cair. 

Mas, neste pleito insólito, até as pesquisas correm grande risco. 

O bolsonarista envergonhado, que não revela seu voto nem ao pesquisador, existe, e pode surpreender.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247