Tijolaço: carta de Temer revela pequenez e adesão ao golpismo

Para o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço, a carta do vice-presidente Michel Temer à presidente Dilma Rousseff revela "rancor e pequenez. E mais: sua adesão ao golpismo"; ele critica o silêncio do vice em relação à aceitação, por Eduardo Cunha, do processo de impeachment de Dilma; "Nenhuma palavra sobre a atitude mesquinha e chantagista de Eduardo Cunha, que está diante dos olhos de todo o país como uma chantagem e uma vingança sórdida. Desde o processo que levou este facínora à presidência da Câmara, o senhor calou-se", afirma

Para o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço, a carta do vice-presidente Michel Temer à presidente Dilma Rousseff revela "rancor e pequenez. E mais: sua adesão ao golpismo"; ele critica o silêncio do vice em relação à aceitação, por Eduardo Cunha, do processo de impeachment de Dilma; "Nenhuma palavra sobre a atitude mesquinha e chantagista de Eduardo Cunha, que está diante dos olhos de todo o país como uma chantagem e uma vingança sórdida. Desde o processo que levou este facínora à presidência da Câmara, o senhor calou-se", afirma
Para o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço, a carta do vice-presidente Michel Temer à presidente Dilma Rousseff revela "rancor e pequenez. E mais: sua adesão ao golpismo"; ele critica o silêncio do vice em relação à aceitação, por Eduardo Cunha, do processo de impeachment de Dilma; "Nenhuma palavra sobre a atitude mesquinha e chantagista de Eduardo Cunha, que está diante dos olhos de todo o país como uma chantagem e uma vingança sórdida. Desde o processo que levou este facínora à presidência da Câmara, o senhor calou-se", afirma (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço - O vice-presidente Michel Temer escreveu à Presidenta Dilma Rousseff uma carta que foi publicada pelo Blog do Moreno, em O Globo.

Ela se inicia com uma frase em latim: "verba volant, scripta manent" – algo como "as palavras se esvaem, o escrito permanece".

A cítara latina, porém, deriva de outra: "verba volant, exempla trahunt".

As palavras se esvaem, os exemplos arrastam.

É mais ou menos o que o nosso povo pensa, ao dizer que é na hora da necessidade que se vê quem é amigo, mesmo. Se prefere em latim, " Amicum certum in re incerta cerni".

Li seu rosário de queixas, e é mesmo provável que possa ter razão em várias delas.

Dilma não é propriamente uma mulher "macia", muito menos dada a rapapés e rasgações de seda.

Mas não estamos diante de uma discussão de divã, não é, Dr. Temer?

Estamos diante de uma acusação criminal e, pior, diante de uma acusação criminal que vai ser resolvida politicamente, na Câmara e, se chegar lá, no Senado.

E de uma ameaça à ordem democrática e ao respeito ao resultado eleitoral, do qual o senhor é beneficiário.

O que importa aqui é o que cada um faz, na prática, diante dela.

É inevitável que se pergunte, sendo o senhor o ex-professor de Direito que é, qual o julgamento moral sobre alguém que, apenas por não gostar do comportamento pessoal e até de uma eventual falta de delicadeza política, se dispõe a deixar que alguém seja condenado por uma acusação que sabe inverídica, apenas por suas mágoas e ressentimentos?

O senhor fala "nos seus": Moreira Franco e Eliseu Padilha.

Abstraia-se o fato de serem dois políticos sem voto e que, no governo Fernando Henrique Cardoso, também era com os dois que o senhor se ocupava.

Nenhuma palavra sobre a atitude mesquinha e chantagista de Eduardo Cunha, que está diante dos olhos de todo o país como uma chantagem e uma vingança sórdida.

O senhor se cala.

E quem cala, consente. Qui tacet, consentire videtur, como gosta seu latim.

Ainda a velha língua tem mais: "Agentes et consentientes pari poena puniuntur", quem faz e quem consente, o mesmo castigo merecem.

Desde o processo que levou este facínora à presidência da Câmara, o senhor calou-se.

Aliás, mais que isso, o senhor o apoiou expressamente, em nome da mesma "unidade do PMDB" que agora invoca.

Embora "unidade do PMDB" já seja, em si, uma licença de má poesia, aceite-se.

Basta um cartesiano raciocínio para verificar-se que, se Cunha era "a unidade do PMDB" e não era o seu candidato, isso significa que sua opinião não unifica o PMDB.

Que dirá o país, como o senhor, vaidosamente, oferece-se a fazer.

E se era seu candidato, poupe-se todo este latim que o senhor tanto aprecia.

Cada palavra em sua carta, Dr. Temer, revela rancor e pequenez. E mais: sua adesão ao golpismo.

Voluntas pro facto reputatur, Dr. Temer, intenção faz a ação.

Em seu comportamento, sobram o latim e a pose, apenas.

Falta o caráter.

Porque, senhor Vice-Presidente, veritatis simplex oratio: a verdade dispensa enfeites.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email