Tijolaço: derrota do “mata-já” a Lula deixa a direita mais louca de ódio

"O STF será o Judas da mídia durante a Semana Santa. A Globonews já escalou sua linha de ataque completa e aumentou a duração dos seus jornais. O que é básico – ninguém pode ser preso em meio a um julgamento que foi suspenso em meio à votação – virou um absurdo", diz Fernando Brito, do Tijolaço; "O TRF-4, corneta de Sérgio Moro, vai dizer que sim, embora com uma ressalva de que se deve respeitar a espera até o dia 4 de abril. O habeas corpus preventivo vai virar um habeas corpus efetivo, contra uma ordem de prisão"

"O STF será o Judas da mídia durante a Semana Santa. A Globonews já escalou sua linha de ataque completa e aumentou a duração dos seus jornais. O que é básico – ninguém pode ser preso em meio a um julgamento que foi suspenso em meio à votação – virou um absurdo", diz Fernando Brito, do Tijolaço; "O TRF-4, corneta de Sérgio Moro, vai dizer que sim, embora com uma ressalva de que se deve respeitar a espera até o dia 4 de abril. O habeas corpus preventivo vai virar um habeas corpus efetivo, contra uma ordem de prisão"
"O STF será o Judas da mídia durante a Semana Santa. A Globonews já escalou sua linha de ataque completa e aumentou a duração dos seus jornais. O que é básico – ninguém pode ser preso em meio a um julgamento que foi suspenso em meio à votação – virou um absurdo", diz Fernando Brito, do Tijolaço; "O TRF-4, corneta de Sérgio Moro, vai dizer que sim, embora com uma ressalva de que se deve respeitar a espera até o dia 4 de abril. O habeas corpus preventivo vai virar um habeas corpus efetivo, contra uma ordem de prisão" (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Não se antecipe em otimismos com o resultado parcial do julgamento do habeas corpus impetrado pela defesa de Lula.

É que a estratégia dos linchadores foi grosseira demais.

Recusar o exame do habeas corpus seria excessivamente flagrante.

Mas a “ala monstro” do Judiciário não o aceitou.

Luiz Fachin, o minúsculo, quis recusar a admissibilidade que ele próprio teria afastado, ao receber o pedido, seu aditamento e encaminha-lo ao plenário.

Tanto que o TRF-4 anunciou que mantém a pauta do julgamento dos embargos oferecidos pela defesa do ex-presidente, algo que Cármen Lúcia recusou-se a colocar em pauta, ainda que pedido por José Roberto Batocchio.

É uma óbvia confrontação ao Supremo, pois o mínimo de prudência, diante da concessão de uma liminar para impedir a execução imediata que, claro, será confirmada na burocrática confirmação de todo o acórdão.

O STF será o Judas da mídia durante a Semana Santa.

A Globonews já escalou sua linha de ataque completa e aumentou a duração dos seus jornais.

O que é básico – ninguém pode ser preso em meio a um julgamento que foi suspenso em meio à votação – virou um absurdo.

O TRF-4, corneta de Sérgio Moro, vai dizer que sim, embora com uma ressalva de que se deve respeitar a espera até o dia 4 de abril.

O habeas corpus preventivo vai virar um habeas corpus efetivo, contra uma ordem de prisão.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247