Tijolaço: Marina Silva foi soterrada pela hipocrisia

"Com dois anos de atraso, a tragédia do jatinho caído em Santos comprovou, agora para o grande público, que a história da 'nova política' serviu de mote para a aliança oportunista que ela formou com Eduardo Campos", afirma o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço; "O infeliz desastre acabou por deixar em escombros a fantasia que construíam de que a ação de ambos era sempre pura, angelical, diferente da de todos os outros", completa

"Com dois anos de atraso, a tragédia do jatinho caído em Santos comprovou, agora para o grande público, que a história da 'nova política' serviu de mote para a aliança oportunista que ela formou com Eduardo Campos", afirma o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço; "O infeliz desastre acabou por deixar em escombros a fantasia que construíam de que a ação de ambos era sempre pura, angelical, diferente da de todos os outros", completa
"Com dois anos de atraso, a tragédia do jatinho caído em Santos comprovou, agora para o grande público, que a história da 'nova política' serviu de mote para a aliança oportunista que ela formou com Eduardo Campos", afirma o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço; "O infeliz desastre acabou por deixar em escombros a fantasia que construíam de que a ação de ambos era sempre pura, angelical, diferente da de todos os outros", completa (Foto: Gisele Federicce)

Por Fernando Brito, do Tijolaço

Marina Silva foi soterrada pela hipocrisia.

Com dois anos de atraso, a tragédia do jatinho caído em Santos comprovou, agora para o grande público, que a história da “nova política” que serviu de mote para a aliança oportunista que ela formou com Eduardo Campos.

O infeliz desastre – no qual sempre se tem de lamentar a morte brutal de pessoas – acabou por deixar em escombros a fantasia que construíam de que a ação de ambos era sempre pura, angelical, diferente da de todos os outros.

Estão presos os empresários João Carlos Lyra Pessoa de Melo Filho, Eduardo Freire Bezerra Leite e Apolo Santana Vieira, donos do avião acidentado que atendia o estranho casal.

Segundo a Folha, depois de quase dois anos que a mídia, especialmente os blogs, a Polícia Federal  descobriu operações suspeitas na conta de empresas envolvidas na sua aquisição.

“Vimos que a movimentação financeira não foi só para a compra do avião. Eles [empresas de fachadas e laranjas, segundo as investigações] intercambiavam muito entre si. Desde 2010 as empresas tinham transações volumosas, que se intensificaram em 2014. Por coincidência ou não, as transações caíram após o acidente”, detalhou a delegada Andréa Albuquerque.

Num sistema eleitoral movido a dinheiro, como o brasileiro, fingiram perante o povo brasileiro serem vestais, com uma campanha movida a moedinhas recolhidas.

Pior, com graves suspeitas que o avião não era apenas para os vôos de campanha, mas para incorporar-se ao patrimônio político, através de “laranjas”.

Ainda que Marina, de início, pudesse não saber de onde vinha o jatinho, não é possível crer que não viesse a saber depois.

E calou-se.

E sonegou informações à Justiça Eleitoral.

E mentiu ao povo brasileiro.

Afinal, a nova política de Marina é igual à velha.

Ou melhor, à velhíssima, porque é autoritária, desagregadora, falsa, rancorosa e, como se viu, cínica.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247