Tijolaço: Quem é “cara de pau”, seu Doria?

Para o jornalista Fernando Brito, "talvez não fique sem dono aquela expressão 'cara de pau' que João Doria Jr. andou usando" para se referir ao ex-presidente Lula; afinal, o empresário "apanhou, nos últimos dois anos, segundo a Folha, perto de R$ 2 milhões de verbas públicas para promover eventos – onde estavam figuras como Fernando Henrique Cardoso e seu padrinho Alckmin"

Para o jornalista Fernando Brito, "talvez não fique sem dono aquela expressão 'cara de pau' que João Doria Jr. andou usando" para se referir ao ex-presidente Lula; afinal, o empresário "apanhou, nos últimos dois anos, segundo a Folha, perto de R$ 2 milhões de verbas públicas para promover eventos – onde estavam figuras como Fernando Henrique Cardoso e seu padrinho Alckmin"
Para o jornalista Fernando Brito, "talvez não fique sem dono aquela expressão 'cara de pau' que João Doria Jr. andou usando" para se referir ao ex-presidente Lula; afinal, o empresário "apanhou, nos últimos dois anos, segundo a Folha, perto de R$ 2 milhões de verbas públicas para promover eventos – onde estavam figuras como Fernando Henrique Cardoso e seu padrinho Alckmin" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço

Seis dias atrás, praticando seu esporte preferido, que é aparecer, o dublê de apresentador, promoter empresarial e candidato tucano à prefeitura de São Paulo, João Dória Júnior, foi para os jornais dizer que o ex-presidente Lula é um “sem-vergonha” e um “cara de pau” ao dizer que duvidava que alguém pudesse provar que ele estava metido em algum negócio escuso.

Não sei se por obra do acaso ou, como dizem, dos notórios métodos de José Serra de detonar seus inimigos – e Dória é tucano da cota de Geraldo Alckmin – o já gasto “bebê johnson’s” do empresariado paulista é exposto hoje em toda a sua hipocrisia.

Apanhou, nos últimos dois anos, segundo a Folha, perto de R$ 2 milhões de verbas públicas (só de um órgão do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio) para promover eventos – destes que a gente não sabe até onde vai a promoção de negócios e começa a mera “badalação”- onde figuras como Fernando Henrique Cardoso e seu padrinho Alckmin.

Talvez não fique sem dono aquela expressão “cara de pau” que ele andou usando…

Porque, mesmo que os eventos tenham sido realizados, custado o que se alega que custaram e o dinheiro tenha tido mesmo só o destino de financiá-los, isto é uma atividade comercial do Sr. Dória, porque tudo o que ele faz, inclusive o tal  Lide – Líderes Empresariais, que tem ares de “entidade empresarial” é negócio: é empresa do Grupo Dória e, como empresa, visa dinheiro.

Muito e sem transparência alguma. Isso não é uma acusação, é algo que o próprio Dória declarou ao UOL, há alguns anos, quando perguntado sobre quanto custava participar dos “eventos” e quanto isso lhe rendia, saíram as seguintes pérolas:

Quanto custa participar desses programas?
Na verdade não é um custo. É um investimento, mas esta é uma informação não disponível para o público externo. Não há a menor hipótese de disponibilizar isso.
(…)

Qual o investimento feito nesses empreendimentos?
Essa também é uma informação que nós não divulgamos. Temos por política não comentar nem sobre faturamento, investimento, nem resultados.
(…)

Qual o faturamento do grupo Doria Associados?
Faturamento é outra coisa que nós não divulgamos.
(…)

Qual a participação de cada um dos segmentos em que atua no desempenho do faturamento do grupo este ano?
Essa é uma informação que nós também não disponibilizamos.(…)

Deixo ao leitor que julgue quem é o “cara de pau”.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247