Tijolaço: Quem falsificou os extratos de Romário: A Veja, o MP, a PF?

Fernando Brito cobra investigação do Ministério Público sobre a falsificação dos extratos usados em denúncia da revista Veja de que o senador tinha uma conta oculta com R$ 7,5 milhões em Genebra, na Suíça; 'Não é fonte ou informante quem falsifica documentos para atingir criminalmente a terceiros, mas bandido. Sobretudo e principalmente se for mesmo alguém do Ministério Público ou da Polícia Federal'

Fernando Brito cobra investigação do Ministério Público sobre a falsificação dos extratos usados em denúncia da revista Veja de que o senador tinha uma conta oculta com R$ 7,5 milhões em Genebra, na Suíça; 'Não é fonte ou informante quem falsifica documentos para atingir criminalmente a terceiros, mas bandido. Sobretudo e principalmente se for mesmo alguém do Ministério Público ou da Polícia Federal'
Fernando Brito cobra investigação do Ministério Público sobre a falsificação dos extratos usados em denúncia da revista Veja de que o senador tinha uma conta oculta com R$ 7,5 milhões em Genebra, na Suíça; 'Não é fonte ou informante quem falsifica documentos para atingir criminalmente a terceiros, mas bandido. Sobretudo e principalmente se for mesmo alguém do Ministério Público ou da Polícia Federal' (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito 

Gravíssima, apesar da ironia com que Romário a está tratando, esta situação criada pela denúncia da revista Veja de que o senador tinha uma conta oculta com R$ 7,5 milhões em Genebra, na Suíça. De lá, Romário informa que, reunido com advogados do Banco BSI, foi informado que os extratos apresentados pela revista “são falsos”.

Se são, quem os falsificou?

A revista, que o publicou?

O Ministério Público, em posse de quem a Veja diz estar o extrato reproduzido por ela?

A Polícia Federal? A Interpol?

São dois crimes: a falsificação de documento e a denunciação falsa de crime, pois seria crime manter conta no exterior, não declarada.

Romário diz, segundo o  Estadão,  que até amanhã apresenta documentos do banco provando a falsidade dos extratos.

Espera-se que o Ministério Público abra imediato inquérito sobre a falsificação.

E não se alegue “sigilo de fonte” para que a revista se recuse a dizer quem forneceu aquilo que ela publicou.

Não é fonte ou informante quem falsifica documentos para atingir criminalmente a terceiros, mas bandido.

Sobretudo e principalmente se for mesmo alguém do Ministério Público ou da Polícia Federal.

Aí é bandido de alta periculosidade.

Do tipo dos que a Veja gosta de ter como amigos.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247