Tijolaço: tirar direitos não basta; eles querem é escravidão

"Mil vezes mais obsceno que o 'peladão' do MAM em São Paulo é a manchete da editoria de 'Mercado' da Folha. Não dá para mostrar para crianças", diz o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço; "É uma elite apátrida, desumana, atrasada como a dos senhores de engenho que mandavam seus filhos estudarem em Coimbra. Pior ainda, os mandam fazer compras em Miami", diz Brito

"Mil vezes mais obsceno que o 'peladão' do MAM em São Paulo é a manchete da editoria de 'Mercado' da Folha. Não dá para mostrar para crianças", diz o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço; "É uma elite apátrida, desumana, atrasada como a dos senhores de engenho que mandavam seus filhos estudarem em Coimbra. Pior ainda, os mandam fazer compras em Miami", diz Brito
"Mil vezes mais obsceno que o 'peladão' do MAM em São Paulo é a manchete da editoria de 'Mercado' da Folha. Não dá para mostrar para crianças", diz o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço; "É uma elite apátrida, desumana, atrasada como a dos senhores de engenho que mandavam seus filhos estudarem em Coimbra. Pior ainda, os mandam fazer compras em Miami", diz Brito (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Mil vezes mais obsceno que o “peladão” do MAM em São Paulo é a manchete da editoria de “Mercado” da Folha. Não dá para mostrar para crianças:

O Brasil não é capitalista, ou pelo menos não na medida que americanos esperavam depois da reforma trabalhista costurada pelo Planalto no governo Michel Temer.

Empresários, investidores, advogados, consultores e representantes do setor bancário saíram um tanto frustrados de um encontro na Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, na semana passada, em Nova York, alguns deles com mais perguntas do que respostas na cabeça.

“Então quer dizer que ainda não vamos poder reduzir salários? Isso é a coisa mais anticapitalista que existe”, reclamou Terry Boyland, da CPQI, empresa que presta serviços de tecnologia a bancos na América Latina. “E se perdermos dinheiro? Vamos também dividir os prejuízos?”

Isabel Bueno, sócia da Mattos Filho, firma de advocacia que organizou o encontro, concordou diante de uma sala lotada. “Não é capitalista.”

Empresários, no caso, imaginavam poder terceirizar funcionários da forma como quisessem, reduzir salários e driblar processos trabalhistas, mas viram que não será o mar de rosas que vislumbravam com a “maior reforma do setor em 50 anos”, como resumiu um convidado.

Um dos principais fatores de desilusão, aliás, é a dificuldade de terceirizar trabalhadores. Muitos, no caso, pretendiam demitir e recontratar os mesmos funcionários de prestadoras de serviços, mas não gostaram de saber que a lei impõe uma quarentena de um ano e meio.

Todos yuppies, arrumadinhos, roupas de grife e não apenas a anos-luz da realidade do povo brasileiro, mas a igual distância de considerá-los  seres humanos. Idem, aliás, longe da moralidade, porque a única que conhecem é a do dinheiro.

Porque só mesmo sendo alguém desumano se pode defender que um trabalhador seja “chutado” para a rua sem nenhum direito, ou que tenha seu salário reduzido arbitrariamente ou por uma falsa terceirização, que equivale a ter “empregado de aluguel.

Só do que gostaram é do empregado ter de pagar para entrar com ações trabalhistas ou indenizatórias de danos morais sofridos no trabalho.

Acham “lindo” comparar com os Estados Unidos, fazendo silêncio sobre o fato de que para lá se drenam os recursos e as riquezas de todo o mundo e, por isso, mesmo com todos o barbarismos que há por lá (como não ter saúde pública e o sinistro direito de poder comprar à vontade rifles automáticos como o usado em Las Vegas), isso permite que não seja uma seja um completo desastre, apesar de ser o pior, entre os países ricos, em seus ” seus níveis nacionais de pobreza, analfabetismo, desemprego e expectativa de vida“.

É uma elite apátrida, desumana, atrasada como a dos senhores de engenho que mandavam seus filhos estudarem em Coimbra. Pior ainda, os mandam fazer compras em Miami.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247