"TSE pode tornar Bolsonaro inelegível", diz Merval Pereira

Provavelmente o Congresso não aprovará o impeachment, mas o TSE pode impedi-lo de se candidatar, aponta o jornalista

(Foto: Reprodução | ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 – O jornalista Merval Pereira, do Globo, avalia que o Tribunal Superior Eleitoral pode tornar Jair Bolsonaro inelegível, em razão de seus reiterados ataques contra a democracia. "Caso o TSE chegue à definição de que ele é culpado de manipulação e de atos antidemocráticos e coloque-o como inelegível, terá o pretexto que precisa para levantar o povo contra o STF. Jânio Quadros começou assim, renunciou e o povo não foi para a rua apoiá-lo. Bolsonaro até tem apoiadores que se manifestam nas ruas, mas suficiente apenas para fazer baderna.Nesse caso, a questão é saber a posição das polícias militares estaduais. Estava realmente na hora de uma ação para acabar com o bate boca entre Bolsonaro e as instituições. Notas de repúdio não funcionam, porque ele não trabalha nesse sentido democrático, vai testando os limites", escreve ele, em sua coluna.

"Vamos ver se cai a ficha e ele vê que está indo para uma confrontação que, se não tiver a muita garantia do Exército, basicamente, vai acabar sendo destituído, impedido de se candidatar e processado. Todos esses crimes dos quais pode ser acusado, aconteceram durante seu mandato e ele pode ser tornado inelegível. Provavelmente o Congresso não aprovará o impeachment, mas o TSE pode impedi-lo de se candidatar", afirma.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email