Valter Pomar critica ministro por regulação da mídia

"Se coubesse adotar o termo 'incompreensível' utilizado pelo ministro, poderíamos dizer que incompreensível é postergar para um futuro incerto o marco regulatório", criticou o membro da direção nacional do PT, em referência a comentários do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, que criticou a resolução adotada pelo Diretório Nacional do PT sobre democratização da comunicação

Valter Pomar critica ministro por regulação da mídia
Valter Pomar critica ministro por regulação da mídia
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Membro da direção nacional do PT, Valter Pomar criticou nesta quinta-feira as declarações do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, que acha "incompreensível" que o partido misture regulação da mídia com investimentos. O ministro petista repudiou um marco regulatório para jornais e revistas.

As críticas foram feitas por meio de seu blog. "Se coubesse adotar o termo 'incompreensível' utilizado pelo ministro, poderíamos dizer que incompreensível é postergar para um futuro incerto o marco regulatório", criticou o dirigente petista. "Ao reduzir a regulação apenas às questões de combate à discriminação e de estímulo à diversidade regional, o ministro capitula a uma situação de fato que só beneficia o status quo", completou.

Leia o texto abaixo:

Sobre as declarações do ministro Paulo Bernardo

O ministro Paulo Bernardo, em entrevista concedida a jornal da grande imprensa, criticou a resolução adotada pelo Diretório Nacional do PT, acerca da democratização da comunicação.
 
É direito do ministro fazer críticas ao PT, assim como é direito do PT criticar decisões do ministério encabeçado por Paulo Bernardo.
 
Mas há maneiras e maneiras de exercer os direitos recíprocos.

A entrevista do ministro tacha de "incompreensível" a posição do PT.
 
Incompreensível, por qual motivo?

Em nossa opinião, o ministro considera "incompreensível" porque, em sua concepção das coisas, ele separa o que faz parte do mesmo universo.
 
Não é mais possível, no mundo da convergência digital, discutir democracia na mídia sem discutir as teles. 
 
Teles que oferecem um péssimo serviço, mas serão beneficiadas com desonerações e isenções. 
 
Como sabemos, a redução de impostos não garante a desejada redução dos preços cobrados.
 
O plano atual do MinCom não assegura Banda Larga Universal e com Qualidade, tal como preconizado pela Conferência Nacional de Comunicação. 
 
Para estender esse direito a todos os brasileiros, o melhor caminho nos parece ser o de recuperar e revitalizar a Telebrás. 
 
Outro caminho, que parece preferido pelo ministro, é apostar todas ou quase todas as fichas no setor privado.
 
Se coubesse adotar o termo “incompreensível” utilizado pelo ministro, poderíamos dizer que incompreensível é postergar para um futuro incerto o marco regulatório. 
 
Ao declarar a O Estado de S. Paulo que “não é fácil regular”, e ao reduzir a regulação apenas às questões de combate à discriminação e de estímulo à diversidade regional, o ministro capitula a uma situação de fato que só beneficia o status quo.
 
Ou seja: beneficia as empresas que formam o oligopólio que controla a comunicação de massa no Brasil.
 
Tema que é fartamente abordado nas deliberações da Conferência Nacional de Comunicação, nas reivindicações dos movimentos sociais e nas resoluções do Partido dos Trabalhadores.
 
Partido ao qual o ministro Paulo Bernardo é filiado. 
 
O sistema de mídia brasileiro é oligopolizado, altamente concentrado tanto verticalmente quanto horizontalmente, e totalmente voltado à obtenção de lucros, em detrimento de suas funções sociais. 
 
Produz conteúdos de baixa qualidade, em desacordo até com as tímidas determinações da Constituição Federal, e vem tomando partido contra a democratização da sociedade brasileira. 
 
Na Inglaterra a mídia está sendo novamente regulamentada. Por que é que no Brasil não pode, companheiro e ministro Paulo Bernardo?
 
Direção Nacional da Articulação de Esquerda

19 de março de 2013

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email