Veja diz que “busca a verdade” há 45 anos

Em editorial, diretor Eurípides Alcântara escreve que revista "nunca parou de buscar a verdade" e de "pôr a mão onde muitos tiveram medo de fazê-lo, de denunciar o que deveria ser denunciado, mas também de elogiar o que merece ser elogiado"; para ele, "Veja descobre os escândalos de corrupção, cobra consequências e continua correndo atrás de outras revelações"; nenhuma linha, é claro, sobre propinoduto tucano em São Paulo, grampos de Carlinhos Cachoeira etc etc...

Em editorial, diretor Eurípides Alcântara escreve que revista "nunca parou de buscar a verdade" e de "pôr a mão onde muitos tiveram medo de fazê-lo, de denunciar o que deveria ser denunciado, mas também de elogiar o que merece ser elogiado"; para ele, "Veja descobre os escândalos de corrupção, cobra consequências e continua correndo atrás de outras revelações"; nenhuma linha, é claro, sobre propinoduto tucano em São Paulo, grampos de Carlinhos Cachoeira etc etc...
Em editorial, diretor Eurípides Alcântara escreve que revista "nunca parou de buscar a verdade" e de "pôr a mão onde muitos tiveram medo de fazê-lo, de denunciar o que deveria ser denunciado, mas também de elogiar o que merece ser elogiado"; para ele, "Veja descobre os escândalos de corrupção, cobra consequências e continua correndo atrás de outras revelações"; nenhuma linha, é claro, sobre propinoduto tucano em São Paulo, grampos de Carlinhos Cachoeira etc etc... (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Num texto que mais parece uma piada, o diretor da Veja, Eurípides Alcântara, escreve que a revista "nunca parou de buscar a verdade", desde o seu primeiro número. O editorial é uma celebração aos 45 anos da revista, que terá uma edição especial com 45 reportagens que "fizeram – e fazem – história", além de "investigações de fôlego e uma coletânea de artigos".

A melhor palavra que descreve a Carta ao Leitor deste número seria cinismo. Além da tal "busca a verdade" durante mais de quatro décadas, Alcântara diz que a publicação também nunca deixou de "pôr a mão onde muitos tiveram medo de fazê-lo, de denunciar o que deveria ser denunciado, mas também de elogiar o que merece ser elogiado".

Ele continua: "Veja descobre os escândalos de corrupção, cobra consequências e continua correndo atrás de outras revelações". Como exemplos, cita o chamado 'mensalão' e a suposta compra de votos que garantiu a reeleição do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pelo Congresso. Acontece que a própria Veja, tucana, já rebateu essa tese, comprovada no mais novo livro do jornalista Palmério Dória, O Príncipe da Privataria.

Tudo isso está no editorial de Veja que foi às bancas neste fim de semana. Menos, é claro, uma citação à cínica cobertura do chamado 'propinoduto' tucano, que envolveu ao menos três governos do PSDB em São Paulo, mas que a revista não citou o nome de nenhum, apenas disse que "há indícios" do esquema de cartel e ainda conseguiu incluir um petista na história (relembre aqui).

Também não há nada a respeito dos grampos clandestinos que o diretor da sucursal de Brasília, Policarpo Júnior, conseguia com o contraventor Carlos Cachoeira. Outro caso que causou repercussão - mas que também não é citado pela revista - foi a invasão do repórter Gustavo Ribeiro na suíte do ex-ministro José Dirceu, no Hotel Naoum, em Brasília, em 2011.

Agora é aguardar a "edição histórica" dos 45 anos de Veja para saber o que mais virá.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email