A democracia em Mianmar enfrenta um futuro incerto, analisa mídia chinesa

O jornal chinês Global Times analisa a complexa situação em Mianmar, onde na última segunda-feira (1), os militares decretaram estado de emergência e anunciaram que voltarão a controlar o poder durante um ano

O presidente de Mianmar U Win Myint e a conselheira de Estado Aung San Suu Kyi
O presidente de Mianmar U Win Myint e a conselheira de Estado Aung San Suu Kyi (Foto: Global Times)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Global Times - Os militares de Mianmar declararam na segunda-feira o estado de emergência que durará um ano no país, e o vice-presidente Myint Swe será elevado a presidente interino. Na manhã de segunda-feira, a Conselheira de Estado Aung San Suu Kyi, o presidente U Win Myint e outras autoridades foram detidos pelos militares. Muitos disseram que Mianmar sofreu um "golpe militar".

A segunda eleição geral do país ocorreu em novembro do ano passado. A Liga Nacional para a Democracia (NLD) de Suu Kyi teve um desempenho ainda melhor do que em 2015. Os militares acusaram fraude eleitoral na eleição. As tensões em Mianmar aumentaram e a especulação sobre um golpe potencial se espalhou rapidamente.

Uma junta militar governou Mianmar por décadas, desde 1962. Posteriormente, os militares tomaram a iniciativa de recuar e realizar reformas democráticas. Suu Kyi, que estava em prisão domiciliar há muito tempo, conduziu oficialmente o NLD ao poder em 2016. Os militares mantêm 25 por cento das cadeiras no parlamento, mas sua influência está diminuindo. Mas os militares desempenharam um papel de liderança na repressão ao povo Rohingya. O movimento foi condenado pelo Ocidente, mas apoiado pelos miamarenses. 

O processo de democratização de Mianmar correu bem no início. Suu Kyi e seu NLD tiveram um bom desempenho na eleição, mas profundos conflitos de interesses não foram resolvidos. O governo democraticamente eleito e a junta militar fizeram alguns esforços e as diferenças foram amenizadas por um tempo, mas não conseguiram estabelecer um mecanismo para resolvê-las fundamentalmente. No geral, seus atritos, bem como os conflitos étnicos, permaneceram inalterados. Os recursos políticos trazidos por eleições democráticas estavam longe de ser suficientes para resolver totalmente esses problemas.

Desta vez, os militares de Mianmar detiveram líderes eleitos e declararam estado de emergência, o que é um duro golpe para o tão aplaudido processo de democratização de Mianmar e deixou muitas pessoas pasmadas. A prosperidade proporcionada apenas pelas reformas políticas foi superficial e frágil. A situação difícil de Mianmar reside no fato de que as reformas políticas não conseguiram impulsionar a solução de problemas profundos, nem forneceram uma válvula de escape para evitar disputas políticas repetidas.

O governo da junta militar, que durou meio século, moldou o padrão de interesses em Mianmar. O país enfrenta conflitos étnicos complicados. Não importa qual novo sistema Mianmar venha a adotar, o país enfrentará desafios. É difícil redistribuir interesses sem conflitos. Mianmar tem a sorte de não ter nenhuma revolução sangrenta. Mas o caminho pela frente será extremamente instável. Mianmar precisa de um crescimento econômico robusto por um longo tempo para apoiar seu ajuste de interesses. Não é fácil fazer com que todas as pessoas e classes sociais tenham o sentido de ganhar e não temer o futuro, e garantir que o processo de crescimento econômico seja estável e ordenado.

Até agora, existem apenas alguns modelos de governança no mundo, e o Ocidente está defendendo vigorosamente seu sistema eleitoral. Os países menores não têm muitas opções. Enquanto caminham em direção à modernização, a maioria deles escolheu o sistema eleitoral de estilo ocidental. Os contratempos e caminhos acidentados que encontraram foram interpretados como seus custos devidos para a democracia. Exceto por seguir sistemas tradicionais, é simplesmente impossível para eles explorar novos sistemas políticos.

As ações tomadas pelos militares de Mianmar não podem quebrar o dilema atual que o país enfrenta. Espera-se que as lutas políticas se intensifiquem em um curto período de tempo e Mianmar deverá enfrentar a pressão da comunidade internacional. Suu Kyi já instou o povo de Mianmar a protestar. Países, incluindo os EUA, exigiram que os militares libertassem os líderes políticos detidos. As incertezas estão pairando sobre Mianmar.

O espectro político na região do Sudeste Asiático é complexo. As práticas tradicionais da região e a pressão dos sistemas ocidentais há muito competem entre si. Talvez o resultado seja o mais importante, e será avaliado por dois critérios - se há estabilidade política de longo prazo e se a economia se desenvolve rapidamente para beneficiar a população. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email