“A França é um país imperialista”, diz Lejeune Mirhan

Após ações islamofóbicas terem culminado em novos atentados em território francês, o analista internacional Lejeune Mirhan citou o caráter imperialista do País. “A França é imperialista (...). Não podemos aceitar essa ingerência da França no Mundo Árabe”, ressaltou. Assista

“A França é um país imperialista”, diz Lejeune Mirhan
“A França é um país imperialista”, diz Lejeune Mirhan
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O professor e analista internacional Lejeune Mirhan participou do programa Boa Noite 247 e apontou que a “França é imperialista”, após ações de islamofobia culminarem em novos atentados terroristas. 

Na quinta-feira (29), um agressor com uma faca matou três pessoas, incluindo uma brasileira, e feriu várias outras em uma igreja na cidade francesa de Nice.

Há suspeitas de que se trate de uma vingança pelas declarações do presidente francês, Emmanuel Macron, sobre um suposto declínio do Islã e a defesa da suposta liberdade de expressão em face às charges de “humor” do profeta Maomé publicadas na revista francesa Charlie Hebdo. 

“Você não pode sair ofendendo pessoas dessa forma. Liberdade de expressão não é isso, temos que respeitar as religiões”, defendeu Lejeune, ao condenar a revista francesa. 

O analista também criticou Macron, que segundo ele “é herdeiro desta cultura colonial”. 

“Os franceses mataram milhões na Argélia, ocuparam, em conjunto com a Inglaterra, todo Mundo Árabe. Não podemos aceitar essa ingerência da França”, concluiu.

Inscreva-se na TV 247, seja membro e compartilhe:

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247