A prisão de Guantanamo é a grande ironia sobre os “direitos humanos ao estilo estadunidense”

Mais prisões dessa espécie foram estabelecidas pelos EUA em colaboração com outros países

www.brasil247.com - Prisão de Guantánamo
Prisão de Guantánamo (Foto: HO)
Siga o Brasil 247 no Google News

Rádio Internacional da China - No dia 11 de janeiro de 2002, as forças militares dos EUA criaram uma prisão na sua base militar em Guantánamo, Cuba, para aprisionar os suspeitos terroristas envolvidos no ataque de “onze de setembro”. Ao longo das duas décadas, o governo norte-americano nunca relevou informações de quem foram mantidos lá, quais suas penas ou tempo de detenção.

Em dezembro de 2019, o jornal norte-americano The New York Times divulgou os desenhos de um prisioneiro de Guantánamo, revelando os detalhes de algumas punições que ele sofreu no local. Apenas uma punição com afogamento totalizou 83 vezes.

O grupo de especialistas do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas criticou recentemente a Casa Branca de deter e aplicar maus tratos aos prisioneiros que não passaram ainda pelo processo de julgamento, o que é inaceitável para qualquer governo, sobretudo um que alegue proteger os direitos humanos.

PUBLICIDADE

A base de Guantánamo, no entanto, é apenas a parte visível do iceberg. Segundo uma reportagem do The Washington Post em 2005, a Agência Central de Inteligência estabeleceu uma rede secreta de prisões na Ásia e na Europa Oriental com o envolvimento de vários países como a Tailândia e o Afeganistão.

Passados 20 anos, o mundo não vê o aperfeiçoamento da “prisão clandestina” dos EUA nos direitos humanos. Pelo contrário, mais prisões dessa espécie foram estabelecidas pelos EUA em colaboração com outros países. Por exemplo, na Lituânia, as autoridades dos EUA compraram um terreno através de uma empresa e estabeleceram lá uma escola de equitação que abriga uma prisão clandestina.

PUBLICIDADE

Ao longo de 20 anos, as prisões clandestinas já se tornaram um sinal da violação da lei e dos direitos humanos dos EUA, revelando a hipocrisia e a maldade dos “direitos humanos ao estilo estadunidense”.

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email