Acusado de pedofilia, bilionário americano se mata na prisão

Bilionário norte-americano Jeffrey Epstein, que tinha sido preso no mês passado sob acusações de traficar crianças para sexo, cometeu suicídio na cela da instituição prisional Metropolitan, em Manhattan. Segundo a mídia dos EUA, teria se enforcado

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - As informações sobre o suicídio de Jeffrey Epstein aparecem poucas semana após as especulações de que o financista dos EUA teria sido encontrado ferido e inconsciente no chão da cela da prisão em Manhattan.

O bilionário norte-americano Jeffrey Epstein, que tinha sido preso no mês passado sob acusações de traficar crianças para sexo, cometeu suicídio na noite de sexta-feira (9) na cela da instituição prisional Metropolitan, em Manhattan, segundo a ABC News, citando as autoridades policiais.

A hora [do suicídio] não ficou imediatamente clara, mas, de acordo com agentes da polícia citados pelo canal de notícias ABC NEWS, Epstein teria se enforcado.

A morte ocorreu menos de três semanas após vários meios de comunicação terem informado que o bilionário foi encontrado inconsciente na sua cela, com marcas no pescoço que aparentemente teriam sido auto-infligidas.

O financista, de 66 anos, deveria ser julgado no próximo ano por várias alegações de tráfico sexual infantil e de ter abusado sexualmente mais de 30 meninas menores de idade.

Jeffrey Epstein foi preso no dia 6 de julho, tendo se declarado inocente das acusações de tráfico sexual envolvendo dezenas de meninas menores de idade na sua mansão de Nova York e na propriedade na Flórida desde pelo menos 2002 até 2005. Ele, se fosse condenado, enfrentaria uma pena de prisão de mais de 45 anos.

As acusações foram anunciadas passada mais de uma década depois de Epstein ter cumprido uma pena de prisão de 13 meses por acusações relacionadas com prostituição envolvendo meninas menores de idade.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247