Alemanha põe em dúvida futuro do acordo União Europeia-Mercosul devido à situação da Amazônia

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse ter "sérias dúvidas" de que o acordo entre a União Europeia e o Mercosul possa ser aplicado conforme planejado. O problema é a situação da Amazônia, onde prosseguem as queimadas e é patente a má gestão do governo Bolsonaro

(Foto: Reprodução | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Temos sérias dúvidas de que o acordo possa ser aplicado conforme planejado, quando vemos a situação" na Amazônia, afirmou o porta-voz da chanceler alemã, Stephan Seibert. "Estamos céticos", disse o representante da Alemanha.

Esse amplo acordo de livre comércio foi assinado no ano passado entre a UE e o Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai), mas para ser validado definitivamente ainda deve ser ratificado por todos os parlamentos nacionais, o que ainda não ocorreu.

O Parlamento austríaco e, muito recentemente, o Parlamento holandês, rejeitaram o acordo na sua forma atual. Outros países como Bélgica, Irlanda e Luxemburgo também expressaram reservas, enquanto o presidente francês, Emmanuel Macron, manifestou claramente sua oposição ao tratado UE-Mercosul por desrespeito do governo de Jair Bolsonaro ao Acordo do Clima de Paris

Na sexta-feira passada, a defensora do povo europeu, Emily O'Reilly, decidiu abrir uma investigação sobre o acordo, atendendo as preocupações de cinco ONGs sobre o estudo de seu impacto ambiental.

A Alemanha era um dos grandes promotores deste acordo. Mas os comentários feitos por Berlim nesta sexta-feira aumentam o peso das críticas do lado europeu, informa a RFI.
 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247