América Latina está à beira de um abismo de guerra, diz líder pacifista brasileira

A presidenta do Conselho Mundial da Paz (CMP), Socorro Gomes, disse em entrevista à Prensa Latina, que a organização encara com grande preocupação as ameaças dos Estados Unidos, a política de cerco e as ameaças do governo Donald Trump contra os países da região, pois representam um perigo de guerra

América Latina está à beira de um abismo de guerra, diz líder pacifista brasileira
América Latina está à beira de um abismo de guerra, diz líder pacifista brasileira

Prensa Latina - A presidenta do Conselho Mundial da Paz (CMP), Socorro Gomes, disse em entrevista à Prensa Latina, que a organização encara com grande preocupação as ameaças dos Estados Unidos, a política de cerco e as ameaças do governo Donald Trump contra os países da região, pois representam um perigo de guerra.

As sanções dos EUA são ilegais, criminosas e unilaterais. Um cínico se apropria do dinheiro da Venezuela para financiar um presidente autoproclamado, preparado, educado, articulado e controlado por eles e seus aliados. Isto é , é uma ameaça para todo o continente latino-americano.

Socorro Gomes também denunciou o bloqueio a Cuba, alvo de uma chantagem e da tentativa de condicionar sua política externa. Querem dizer o que Cuba deve fazer, o que consideram conveniente, de acordo com seus interesses geopolíticos, explicou.

Ela destacou que as ações de Trump e seus parceiros imperiais contra essas nações constituem uma violação da Carta das Nações Unidas. E representam uma tentativa de estrangulá-las e derrubar seus governos.

Socorro disse à Prensa Latina que não se pode esquecer que a implantação desde 2008 da Quarta Frota da Marinha Norte-Americana na região visa intimidar, aterrorizar aqueles que se opõem aos seus interesses.

Para a presidenta do Conselho Mundial da Paz, só há uma maneira de deter a ameaça de guerra que paira sobre a América Latina: "chamar a consciência do povo para acabar com essa política irracional e coibir a dominação e a pilhagem de nossos países".

Ela ressaltou que após 70 anos de existência, o CMP mantém sua validade, pois as causas que lhe deram origem ainda estão presentes.

Infelizmente, o progresso feito na preservação da paz no mundo é muito pequeno, salvo algumas exceções. O quadro é de ameaças, tal como ou mesmo pior do que após a Segunda Guerra Mundial, quando esta entidade foi criada a fim de buscar um equilíbrio global e evitar outra guerra, disse.

A ameaça das armas nucleares continua, as alianças agressivas dos impérios são fortalecidas, a corrida armamentista está em ascensão, a OTAN ainda é um instrumento de guerra, então, enfatizou, cabe ao povo defender e manter a paz.

O CMP é uma organização internacional de ação de massas, anti-imperialista, democrática, independente e não-alinhada, com representações em mais de cem países, é parte integrante do movimento pela paz no mundo e atua em cooperação com outras organizações internacionais.

Adere aos princípios e objetivos estabelecidos pelos seus fundadores e inspira-se na Carta das Nações Unidas, na Declaração Universal dos Direitos do Homem, nos princípios do Movimento dos Países Não Alinhados e na Ata Final da Conferência de Helsinque sobre Segurança e Cooperação na Europa.

Como uma organização não-governamental registrada na ONU coopera, entre outras, com a UNESCO, UNCTAD, UNIDO, OIT e agências especializadas dessa entidade, o Movimento dos Não-Alinhados, a União Africana e a Liga dos Estados Árabes.

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247