Amorim: é razoável supor que haja o dedo de Washington na caça a Lula

Presente no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC nos últimos dias de liberdade de Lula, o ex-ministro das Relações Exteriores avalia, em entrevista à TV 247, que considera ter havido influência externa na perseguição contra o maior líder político brasileiro dos últimos tempos; “Acredito que há muitos setores conservadores no Brasil que também não gostem do ex-presidente, mas acho razoável que tenha um dedo de Washington nessa condenação sim”, diz; sobre as provas usadas no processo, ele ressalta: "isso não existe, isso mancha a credibilidade brasileira"; assista

celso amorim
celso amorim (Foto: Lais Gouveia)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

TV 247 - Ministro das Relações Exteriores durante o governo Lula, Celso Amorim concedeu entrevista à TV 247 na última quinta-feira 12, na qual destacou as influências externas que culminaram no cárcere político do ex-presidente Lula, o impacto da prisão de Lula no mundo e temas relacionados a uma possível terceira guerra mundial. 

O ex-ministro passou os últimos dias com Lula no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, antes de o ex-presidente se apresentar à Polícia Federal, e disse que sua maior característica é a humanidade. “Ele se preocupando se todos ao redor dele estavam bem, se haviam comido direito, e consolava outras pessoas que estavam preocupadas. Isso é impressionante”, observa o ex-chanceler.

O ex-ministro desconstrói os argumentos que a Operação Lava Jato e o juiz Sergio Moro usaram para condenar o ex-presidente. “Provas de que ele supostamente usou um pedalinho no sítio ou um triplex, isso não existe, isso mancha a credibilidade brasileira. Eu sinceramente não queria ser ministro neste momento da história”, afirma.

Em relação a uma possível influência imperialista na prisão de Lula, Celso Amorim considera que há intervenção no processo. “Acredito que há muitos setores conservadores no Brasil que também não gostem do ex-presidente, mas acho razoável que tenha um dedo de Washington nessa condenação sim”, conclui.

Ao analisar os conflitos externos, ele afirma que a tensão entre Estados Unidos e Rússia é a mais significativa desde a crise dos mísseis. “Essa trocas de agressões verbais e físicas são intensas, eu não me recordo de ver diplomatas expulsos e embaixadas sendo fechadas”, diz.

Por que a ex-potência soviética incomoda tanto? Amorim explica que um dos motivos é o fato de a Rússia ser estratégica no mapa da geopolítica por ter um poderio militar imenso, por isso incomoda tanto as grandes potências.

Inscreva-se na TV 247 e confira a entrevista com Celso Amorim: 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247