Análise: Quem está por trás do atentado no Irã?

O jornalista e analista internacional, Rasoul Goudarzi, mestre em Relações Internacionais da Universidade Azad do Irã, especialista em temas de Oriente Médio e Irã, analisa o atentado do último sábado na cidade de Ahvaz, no contexto geopolítico regional e internacional

Análise: Quem está por trás do atentado no Irã?
Análise: Quem está por trás do atentado no Irã?

247, com HispanTV - O jornalista e analista internacional, Rasoul Goudarzi, mestre em Relações Internacionais da Universidade Azad do Irã, especialista em temas de Oriente Médio e Irã, analisa o atentado do último sábado na cidade de Ahvaz, no contexto geopolítico regional e internacional.

Mais um ataque terrorista ocorre no Irã. Desta vez o alvo foi um desfile militar na cidade de Ahvaz, no sul do país, deixando dezenas de mortos e feridos.

O atentado ocorreu no sábado (22), meia hora depois de iniciados atos comemorativos, quando vários terroristas, vestidos como soldados, dispararam contra a multidão que presenciava o desfile e também contra os militares que participavam do evento.

Deve-se mencionar que entre as vítimas mortais se encontravam crianças e jornalistas. Imediatamente dois grupos terroristas reivindicaram a autoria do atentado, o chamado Estado Islâmico e o A-Ahvaziya, apoiados pela Arábia Saudita.

As reações foram imediatas. O presidente do Irã, Hasan Rohani, advertiu que haverá uma resposta contundente e de imediato, afirmou: "A resposta da República Islâmica à menor ameaça será terrível". E acrescentou: "Os que dão apoio em matéria de inteligência e propaganda a estes terroristas terão que responder por isso".

Nesse mesmo sentido, o chanceler iraniano, Mohamad Yavad Zarif, acusou os patrocinadores do terrorismo e seus patrões estadunidenses pelos ataques terroristas e afirmou que os atacantes foram recrutados, treinados, armados e pagos por um regime estrangeiro.

A quem Zarif se referiu?

Imediatamente depois do ataque mortal, o assessor do príncipe herdeiro de Abu Dabi, Abdul Jaleq Abdulá, através de um tuíte defendeu o atentado, dizendo: "Um ataque militar a um alvo militar não é um ato terrorista". Acrescentou que "estender o conflito ao território iraniano é uma opção que tinha se manifestado antes e que aumentará no futuro".

Suas palavras concordam exatamente com as do príncipe herdeiro saudita que tinha afirmado previamente que se deve estender o caos ao território iraniano. Algo que põe em relevo que estes dois países podem estar por trás dos últimos dois ataques terroristas no Irã.

Deve-se mencionar que ambos os grupos terroristas que reivindicaram a autoria do atentado recebem apoios logísticos e financeiros de parte dos países do Golfo Pérsico. O objetivo principal dos patrocinadores é criar divisão no sul do Irã, para opor a minoria árabe local ao sistema.

Por que querem o caos no Irã?

O motivo reside no papel que Teerã desempenha nas equações regionais e sua postura antiterrorista. Desde o início dos conflitos na Síria e no Iraque, entre outros, há sete anos, o Irã se encontra na frente da luta contra os grupos terroristas que atuam na região para derrocar os governos do Iraque e da Síria. O resultado da presença iraniana foi o fracasso absoluto dos terroristas e a perda de sua influência que se estendia como uma sombra de morte na região.

É fácil entender que tais grupos não podem fornecer os fundos e os armamentos necessários para suas operações e devem receber ajudas. Portanto, o fracasso dos terroristas significa o de seus patrocinadores.

Neste caso, não só fracassou o plano da Arábia Saudita, dos Emirados Árabes Unidos e seus patrocinadores ocidentais de dividir a Síria e o Iraque para frear a influência do Irã na região, como também hoje o Irã tem uma maior influência na região e é considerado como um dos principais atores tanto nas equações regionais como internacionais. Algo que não agradou em absoluto esses países, razão pela qual se dedicaram a estender a insegurança ao território iraniano para poder assim reduzir sua influência.

Quais seriam as consequências de tais medidas desestabilizadoras?

Se nos fixamos bem na história recente do Oriente Médio, a região sempre esteve em conflito e isto mediante a presença direta e indireta dos estrangeiros, concretamente os Estados Unidos. O resultado deste cenário para os países da região tem sido o saque dos recursos petroleiros e a permanente insegurança que cobrou a vida de dezenas de milhares de pessoas. Mas para os Estados Unidos o resultado foi totalmente inverso, ou seja, beneficiou este país e seus aliados mediante a venda de armas e o saque de petróleo sem ter sido afetado negativamente.

Pode-se dizer que a perspectiva da situação no Oriente Médio tende a piorar e isto continuará enquanto os países da região não se unirem contra os planos separatistas e desestabilizadores de terceiros.

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247