Apesar dos ataques de Trump, China defende coexistência pacífica com EUA

O chanceler da China, Wang Yi, disse que seu país e os EUA estão "à beira de uma guerra fria" e que Pequim não tem intenção de pagar qualquer indenização pela Covid-19. Mas ressalta nos planos político e diplomático que a China e os EUA deverão encontrar um caminho para coexistirem pacificamente

Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi
Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi (Foto: Sputnik / Iliya Pitalev)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "A China não tem intenção de mudar, muito menos de substituir os EUA" na arena internacional, afirmou o chanceler chinês, Wang Yi.

Em declarações feitas por vídeoconferência neste domingo (24), Wang Yi afirmou que seu país "mantém-se preparado para trabalhar com os EUA em espírito de cooperação e respeito mútuo".

Para ele, ambos os países "irão ganhar com a cooperação, mas perder com a confrontação". Além disso, a China e os EUA "precisam começar a coordenar" políticas macroeconômicas tanto para suas economias como para a global.

Ao mesmo tempo, Wang Yi alertou que as duas potências estão "à beira de uma guerra fria", informa Sputnik.

Hong Kong

Comentando o retorno das tensões em Hong Kong, o chanceler chinês afirmou que, ao invés de estarem preocupadas, as pessoas deveriam estar mais confiantes na estabilidade de Hong Kong.

Enquanto moradores do ex-território britânico protestam contra novas leis sobre segurança nacional apoiadas por Pequim, Wang Yi afirmou que a nova legislação "não impactará nas liberdades, bem como nos direitos e interesses das empresas estrangeiras", mas que as leis de segurança devem ser impostas "sem qualquer demora".

Coronavírus

Enquanto os EUA acusam a China de cometer erros no contexto da pandemia, Wang Yi afirmou que seu país está pronto para unir esforços com a comunidade internacional para encontrar a origem do coronavírus.

Contudo, ele alertou que tal processo não deve ser político. Além disso, ações judiciais contra a China devido à pandemia não teriam base legal, e quem deseja que a China pague compensações pela propagação do novo coronavírus "está sonhando", segundo Yi.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247