Argentina do neoliberal Macri cai em recessão; PIB desaba 3,5%

O neoliberal Maurício Macri fez uma campanha eleitoral à Presidência da República em 2015 prometendo mudanças e crescimento econômico; três anos depois, a economia da Argentina entrou, oficialmente, em recessão entre julho e setembro, após ter apresentado dois trimestres consecutivos de declínio econômico, de acordo com dados apresentados nesta terça-feira (18) pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec) do país; recuo de 3,5% do PIB no terceiro trimestre em relação ao mesmo período de 2017 

Argentina do neoliberal Macri cai em recessão; PIB desaba 3,5%
Argentina do neoliberal Macri cai em recessão; PIB desaba 3,5%
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A economia da Argentina entrou, oficialmente, em recessão entre julho e setembro, após ter apresentado dois trimestres consecutivos de declínio econômico, de acordo com dados apresentados nesta terça-feira (18) pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec) do país. O Produto Interno Bruto (PIB) mostrou que a economia argentina caiu 0,7% no terceiro trimestre em relação aos três meses anteriores. Em relação ao mesmo período de 2017, o PIB argentino amargou um recuo de 3,5%.

De acordo com as projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI), 2018 fechará com a maior queda do PIB durante o mandato do presidente neoliberal Maurício Macri, que chegou à Presidência da República com a promessa de mudanças. "Cambiemos" (mudemos) era o slogan da campanha. A queda prevista para o PIB é de 2,6% no ano. Para 2019, o FMI prevê queda de 1,6%. A torrente de investimentos prometida por Macri nunca aconteceu.

Nesse quadro, diante do constante aumento do risco país, um dos indicadores da recessão é a paralisação pelo governo de todos os projetos de infraestrutura do programa de Participação Público Privada (PPP). Depois do ajuste acordado com o FMI, os PPP eram a única alternativa para não paralisar completamente as obras públicas.

A queda do consumo público e privado, dos investimentos e das importações explicam, segundo o jornal Página 12 o péssimo desempenho da atividade econômica combinada com a forte desvalorização da moeda e elevada taxa de juros.

O jornal argentino assinala que o governo redobrou para 2019 a aposta em um modelo de arrocho fiscal e contração monetária para chegar ao déficit zero, com o que espera assegurar ao FMI e aos investidores privados o pagamento da dívida. O resultado dessa estratégia é uma forte queda da atividade econômica.

Enquanto a economia argentina desaba, sobe a inflação para os pobres e indigentes. Segundo o jornal Página 12, a cesta básica da população pobre teve um aumento acumulado de preços de 57,3 por cento nos últimos 12 meses.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247