Atraso em julgamento ajudou a induzir fuga de Ghosn do Japão, dizem fontes

Ghosn, um dos executivos mais conhecidos do mundo, se tornou o fugitivo mais famoso do Japão depois de revelar, na terça-feira, que fugiu para o Líbano para escapar do que classificou como um sistema de justiça “fraudulento”

Carlos Ghosn
Carlos Ghosn
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - Carlos Ghosn decidiu fugir do Japão depois de saber que seu julgamento foi adiado para abril de 2021, e também porque não teve permissão de falar com a esposa, disseram fontes próximas do ex-chefe da Nissan nesta quinta-feira.

Ghosn, um dos executivos mais conhecidos do mundo, se tornou o fugitivo mais famoso do Japão depois de revelar, na terça-feira, que fugiu para o Líbano para escapar do que classificou como um sistema de justiça “fraudulento”.

Fontes próximas a Ghosn contaram que, em uma audiência recente, ele soube que um de seus dois julgamentos no Japão foi postergado da data original de 20 de setembro de 2020 para abril de 2021. Não existe data certa para nenhum dos julgamentos, mas se acredita que ao menos um deles começaria em abril de 2020.

“Eles disseram que precisavam de mais um ano inteiro para se prepararem para ele... ele ficou perturbado por não poder ver ou falar com a esposa”, disse uma das fontes próximas de Ghosn.

Pelos termos de sua fiança, Ghosn foi proibido de se comunicar com a esposa, Carole, e sujeito a restrições no uso da internet e de outros meios de comunicação enquanto estivesse confinado em sua casa de Tóquio.

Um pedido para ver ou falar com a esposa no Natal foi negado, segundo as fontes.

Estas também disseram que Ghosn ficou irritado com a notícia de que sua filha e seu filho foram interrogados por procuradores japoneses nos Estados Unidos no início de dezembro e que ficou convencido de que as autoridades estavam tentando forçá-lo a fazer uma confissão ao pressionar sua família.

Ninguém estava disponível de imediato para comentar no escritório do advogado de Ghosn, Junichiro Hironaka, na embaixada francesa de Tóquio ou na Procuradoria do Distrito de Tóquio.

Ghosn foi preso pela primeira vez em Tóquio em novembro de 2018 e enfrenta quatro acusações, entre elas ocultar renda e enriquecer através de pagamentos a concessionárias de automóveis do Oriente Médio. Ele nega as acusações.

O empresário, que tem cidadania francesa, libanesa e brasileira, foi retirado sorrateiramente de Tóquio por uma empresa de segurança privada dias atrás, um plano que estava sendo preparado há três meses, como a Reuters noticiou.

A emissora pública japonesa NHK disse nesta quinta-feira que autoridades do Japão permitiram que Ghosn mantivesse um passaporte francês em uma pasta trancada enquanto estivesse sob fiança, o que pode ajudar a explicar como ele conseguiu fugir.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247