Aumenta para 1.234 número de mortos na Indonésia

As autoridades da Indonésia confirmaram que aumentou para 1.234 o número de mortos em conseqüência do terremoto de magnitude 7,5 e o posterior tsunami que atingiram a ilha de Celebes há três dias; a ONU havia estimado que 191 mil pessoas na região afetada precisam de ajuda urgente, incluindo 46 mil crianças e 14 mil idosos

Aumenta para 1.234 número de mortos na Indonésia
Aumenta para 1.234 número de mortos na Indonésia (Foto: Stringer/Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil - As autoridades da Indonésia confirmaram hoje (2) que aumentou para 1.234 o número de mortos em conseqüência do terremoto de magnitude 7,5 e o posterior tsunami que atingiram a ilha de Celebes há três dias.

Até ontem (1º) a Organização das Nações Unidas (ONU) havia estimado que 191 mil pessoas na região afetada precisam de ajuda urgente, incluindo 46 mil crianças e 14 mil idosos.

Onda gigantesca atinge a zona costeira da Indonésia - STRINGER/Reuters/Direitos Reservados

Para o porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres (BNPB), Sutopo Purwo Nugroho, o número de mortos pode aumentar porque há "centenas de vítimas" soterradas em Petobo, uma área de Palu.

Números

As mortes foram registradas, em sua maioria, em Palu, Parigi Moutong e no distrito de Danggala, segundo os dados oficiais. Até ontem a lista contava com 90 desaparecidos, 632 feridos internados em diversos hospitais e 48.025 pessoas atendidas em 103 centros de amparo.

Equipes de resgate reclamam da escassez de medicamentos e da falta do equipamento necessário para alcançar os sobreviventes presos em prédios desmoronados.

As autoridades temem os surtos de doenças causadas pela decomposição de corpos, o que é uma grande preocupação. O alerta se estende para a região de Donggala, ao norte de Palu, onde vivem 300 mil pessoas, e mais dois distritos nos quais a comunicação foi interrompida. Segundo as autoridades, não é possível estimar o número de vítimas na área.

Os trabalhos de buscas e resgates de sobreviventes e vítimas são mantidos, enquanto técnicos trabalham para restabelecer os serviços básicos e o fornecimento de energia.

O Ministério da Saúde se encarrega de fornecer profissionais e material médico a essa região, onde fazem falta especialistas em ortopedia, cirurgiões gerais, neurocirurgiões, anestesistas e enfermeiros.

*Com informações da EFE

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247