Bachelet deve apoiar denúncia de Lula na ONU

Confirmada nesta sexta-feira 10 como a nova alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, ex-presidente do Chile, será reforço importante na denúncia do ex-presidente Lula que tramita na ONU sobre a violação de suas garantias constitucionais; ela pode ajudar mostrando a gravidade do caso de Lula e a necessidade da ONU intervir; 18 juízes de diferentes vertentes analisam a denúncia; Bachelet liderou carta assinada por 43 personalidades de esquerda defende ao STF o direito de Lula disputar as eleições e poderá visitar o ex-presidente em Curitiba  

www.brasil247.com - Bachelet deve apoiar denúncia de Lula na ONU
Bachelet deve apoiar denúncia de Lula na ONU (Foto: RICARDO STUCKERT | UN Photo/Manuel Elias)


247 - A ex-presidente do Chile Michelle Bachelet foi confirmada nesta sexta-feira, 10, como alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos. Bachelete deverá apoiar a denúncia do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que tramita na ONU sobre a violação de suas garantias constitucionais com a condenação e prisão no caso do triplex do Guarujá. Ela pode ajudar mostrando a gravidade do caso e a necessidade da ONU intervir. 18 juízes de diferentes vertentes analisam a denúncia.

Michelle Bachelet é uma das principais líderes internacionais a denunciar a perseguição política contra o ex-presidente Lula. Ela liderou a articulação de uma carta ao Poder Judiciário brasileiro, onde 43 personalidades de esquerda pedem para que o líder do PT saia candidato a presidente da República em 2018. De acordo com o jornal chileno La Segunda, Bachelet também tentará visitar o ex-presidente Lula na prisão, em Curitiba. 

A repercussão internacional da perseguição política a Lula, que lidera todas as pesquisas de intenções de voto para retornar à Presidência, ganhou também o reforço de dez juristas e advogados europeus e latino-americanos. Em carta enviada de Paris à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), eles pediram que a legalidade com relação a Lula seja respeitada "com rigor e independência".

O documento foi assinado, entre outras pessoas pelo advogado francês William Bourdon, presidente e fundador da associação de proteção e defesa das vítimas de crimes econômicos Sherpa, pelo jurista Emilio García, presidente da Fundação Sul Argentina, o presidente de honra da Liga de Direitos Humanos (LDH), Henri Leclerc, além dos renomados juristas Baltasar Garzon, da Espanha, e Luigi Ferrajoli, da Itália. A carta também foi enviada aos presidentes da França, Emmanuel Macron, e do Governo espanhol, Pedro Sánchez, assim como ao primeiro-ministro de Portugal, Antonio Costa, e aos respectivos chanceleres (leia a carta na íntegra).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Michelle Bachelet, que foi torturada pela ditadura de Augusto Pinochet, foi a primeira mulher a comandar o Chile, uma das economias mais desenvolvidas da região. Ela foi presidente entre 2006 e 2010 e foi popular graças às políticas sociais de seu governo e a um crescimento econômico estável durante seu mandato.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Inscreva-se na TV 247 e assista ao depoimento de Michelle Bachelet: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email