Biden ameaça com sanções dos EUA em resposta ao golpe de Mianmar

Biden condenou a tomada militar do governo civil na segunda-feira e a detenção da líder eleita e ganhadora do Nobel Aung San Suu Kyi como "um ataque direto à transição do país para a democracia e o Estado de Direito"

O presidente dos EUA, Joe Biden, fala durante sua posse como 46º presidente dos Estados Unidos na Frente Oeste do Capitólio dos EUA, em Washington, nesta quarta (20)
O presidente dos EUA, Joe Biden, fala durante sua posse como 46º presidente dos Estados Unidos na Frente Oeste do Capitólio dos EUA, em Washington, nesta quarta (20) (Foto: Kevin Lamarque/Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos EUA, Joe Biden, ameaçou na segunda-feira reimpor as sanções a Mianmar após um golpe dos líderes militares do país e pediu uma resposta internacional combinada para pressioná-los a renunciar ao poder.

Biden condenou a tomada militar do governo civil na segunda-feira e a detenção da líder eleita e ganhadora do Nobel Aung San Suu Kyi como "um ataque direto à transição do país para a democracia e o Estado de Direito".

A crise de Mianmar marca o primeiro grande teste da promessa de Biden de colaborar mais com os aliados nos desafios internacionais, especialmente na influência crescente da China, em contraste com a abordagem frequentemente agressiva do ex-presidente Donald Trump, “América em Primeiro Lugar”.

Também representou um raro alinhamento político entre os companheiros democratas de Biden e os principais republicanos, quando eles se uniram para denunciar o golpe e exortar as consequências militares de Mianmar.

“A comunidade internacional deve se unir em uma só voz para pressionar os militares birmaneses a renunciarem imediatamente ao poder que tomaram e libertar os ativistas e oficiais que detiveram”, disse Biden em um comunicado.

“Os Estados Unidos retiraram as sanções à Birmânia na última década com base no progresso em direção à democracia. A reversão desse progresso exigirá uma revisão imediata de nossas leis e autoridades sancionatórias, seguida de ação apropriada ”, disse ele.

Biden também pediu aos militares em Mianmar, também conhecido como Birmânia, que levantem todas as restrições às telecomunicações e evitem a violência contra civis.

Ele disse que os Estados Unidos estavam "tomando nota daqueles que estão com o povo da Birmânia nesta hora difícil".

“Trabalharemos com nossos parceiros em toda a região e em todo o mundo para apoiar a restauração da democracia e do Estado de Direito, bem como responsabilizar os responsáveis ​​pela reversão da transição democrática na Birmânia”, disse ele.

O partido Liga Nacional pela Democracia de Suu Kyi obteve uma vitória esmagadora de 83% nas eleições de 8 de novembro. O Exército disse ao assumir na madrugada de segunda-feira que havia respondido ao que chamou de fraude eleitoral.

CONSULTAS 'INTENSIVAS'

A porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, disse em uma entrevista coletiva regular que os Estados Unidos têm conversas "intensas" com aliados sobre Mianmar. Ela se recusou a dizer que outras ações estavam sendo consideradas além das sanções.

Questionado se a afirmação de Biden de que os Estados Unidos estavam “tomando nota” da reação de outros países foi uma mensagem para a China, Psaki disse aos repórteres: “É uma mensagem para todos os países da região”.

O principal democrata no comitê de relações exteriores do Senado, Robert Menendez, disse que os Estados Unidos e outros países "deveriam impor sanções econômicas estritas, bem como outras medidas" contra o exército de Mianmar e a liderança militar se eles não libertassem os líderes eleitos e removessem eles próprios do governo.

Menendez também acusou o exército de Mianmar de "genocídio" contra a minoria muçulmana Rohingya - uma determinação ainda a ser declarada pelo governo dos Estados Unidos - e de uma campanha sustentada de violência contra outras minorias.

O líder republicano do Senado dos Estados Unidos, Mitch McConnell, que, como membros do governo Biden, teve laços estreitos com Suu Kyi, chamou as prisões de "horríveis" e exigiu uma resposta dura.

“O governo Biden deve ter uma posição firme e nossos parceiros e todas as democracias ao redor do mundo devem seguir o exemplo na condenação deste ataque autoritário à democracia”, disse ele.

McConnell acrescentou que Washington precisava “impor custos” aos que estão por trás do golpe.

Os eventos em Mianmar são um golpe significativo para o governo Biden e seus esforços para forjar uma política robusta da Ásia-Pacífico para enfrentar a China.

Muitos membros da equipe de política asiática de Biden, incluindo seu chefe, Kurt Campbell, são veteranos do governo Obama, que no final do mandato do ex-presidente Barack Obama saudou seu trabalho para encerrar décadas de regime militar em Mianmar como uma importante conquista da política externa. Biden foi vice-presidente de Obama.

Obama começou a flexibilizar as sanções em 2011 depois que os militares começaram a afrouxar o controle, e ele anunciou em 2016 o levantamento de muitas das sanções restantes. Mas em 2019, o governo Trump impôs sanções direcionadas a quatro comandantes militares, incluindo o general Min Aung Hlaing, por abusos dos direitos humanos contra muçulmanos Rohingya e outras minorias.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email