Biden, pré-candidato democrata, pede paz em meio à rebelião popular nos EUA

O ex-vice-presidente Joseph Biden disse neste domingo que os Estados Unidos são uma nação ferida, referindo-se à explosão social após o assassinato do afro-americano George Floyd

Protesto em Mineápolis, Estados Unidos
Protesto em Mineápolis, Estados Unidos (Foto: Carlos Barria/Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em um comunicado divulgado neste domingo (31/5), o pré-candidato presidencial democrata para as eleições de 3 de novembro, pediu calma, ao contrário do presidente Donald Trump.

'Somos uma nação sofrendo, mas não devemos permitir que essa dor nos destrua. Somos uma nação enfurecida, mas não podemos permitir que nossa raiva nos consuma. Somos uma nação exausta, mas não permitiremos que nossa exaustão nos derrote '', escreveu Biden., informa Prensa Latina.

No entanto, Trump visava alimentar o fogo, porque quando várias cidades explodiram em protestos nas ruas, algumas das quais foram reprimidas pela polícia, ele não fez nenhum pedido de paz, destaca a mídia local.

Em vez disso, o governante republicano postou uma série de mensagens em sua conta no Twitter, culpando os democratas pelos distúrbios e apelando aos 'governadores e prefeitos liberais' para serem 'muito mais duros' contra as multidões .

Além disso, ele ameaçou intervir com "o poder ilimitado de nossas Forças Armadas" nos protestos e até sugeriu que seus apoiadores montassem uma contra-demonstração.

A turbulência atingiu a porta de Trump no sábado pela segunda noite consecutiva, quando centenas de pessoas condenaram o assassinato de George Floyd nas mãos de um policial branco na cidade de Minneapolis, Minnesota, na semana passada.

Os participantes, a maioria pacífica, cantaram "vidas negras importam" e "sem paz, não há justiça", mas houve quem disparou fogos de artifício e jogou tijolos, aos quais agentes do Serviço Secreto e da Polícia responderam com spray de pimenta .

As declarações de Trump não ajudaram a acalmar a indignação, destacou o New York Times.

Em um tweet, o presidente disse que os protestos em Lafayette Park, em frente à Casa Branca, "tinham pouco a ver com a memória de George Floyd" e, mais uma vez sem fornecer evidências para sustentar sua alegação, acrescentou que os manifestantes "estavam lá apenas para causar problemas" e foram "tratados por uma mão profissional".

Tanto Trump quanto o procurador-geral, William Barr, também culparam, sem oferecer evidências, "grupos de extrema esquerda" pelos surtos de violência.

Os Estados Unidos estão atormentados por uma pandemia, atingidos pelo colapso econômico, e convulsionados pela discórdia racial, disseram observadores.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247