Biden terá "czar antitruste", que poderá separar atividades das "big techs"

Democrata toma posse nesta quarta-feira como presidente dos Estados Unidos e um dos seus alvos poderá ser o Vale do Silício

Presidente eleito dos EUA, Joe Biden
Presidente eleito dos EUA, Joe Biden (Foto: REUTERS/Mike Segar)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

WASHINGTON (Reuters) - A nova administração do presidente eleito dos EUA, Joe Biden, está considerando criar uma posição na Casa Branca com foco na política de concorrência e questões relacionadas ao antitruste, disseram duas fontes familiarizadas com as deliberações internas.

A ideia continua sendo considerada e a Casa Branca de Biden pode não tomar a decisão final, disse uma das fontes.

“Ainda está para ser determinado se essa função será mais do tipo de coordenador ou se essa pessoa realmente ocupará um cargo na Casa Branca”, disse outra fonte. A função pode se concentrar na movimentação de informações entre as agências e na coordenação, acrescentou a fonte.

A fiscalização antitruste surgiu como um problema que a equipe de transição do Biden tem observado de perto, especialmente com o surgimento das plataformas Big Tech, que fornecem serviços gratuitos ou baratos aos consumidores, embora sejam suspeitos de violar a lei para esmagar rivais menores.

Um porta-voz da transição não comentou imediatamente sobre o assunto.

No sábado, a Reuters informou que dois ex-funcionários do governo Obama emergiram como os principais candidatos de Biden para o cargo antitruste do Departamento de Justiça.

O Departamento de Justiça e a Comissão Federal de Comércio, que compartilham o trabalho de fiscalização antitruste, têm investigado as plataformas da Big Tech, Alphabet’s Google, Facebook, Amazon e Apple. O Departamento de Justiça processou o Google e a FTC processou o Facebook enquanto as investigações estavam em andamento na Amazon e na Apple.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email