Boca de urna dá vitória ao esquerdista Lenin Moreno no 1º turno no Equador

Uma pesquisa de boca de urna conduzida pelo instituto Cedatos colocou o candidato governista do partido Alianza País com 39,4% dos votos na eleições presidenciais do Equador, que acontecem neste domingo; se os números se confirmarem na apuração, ele será eleito no primeiro turno; o principal concorrente de Moreno, o conservador Guillermo Lasso, teria feito 30,5% dos votos

Uma pesquisa de boca de urna conduzida pelo instituto Cedatos colocou o candidato governista do partido Alianza País com 39,4% dos votos na eleições presidenciais do Equador, que acontecem neste domingo; se os números se confirmarem na apuração, ele será eleito no primeiro turno; o principal concorrente de Moreno, o conservador Guillermo Lasso, teria feito 30,5% dos votos
Uma pesquisa de boca de urna conduzida pelo instituto Cedatos colocou o candidato governista do partido Alianza País com 39,4% dos votos na eleições presidenciais do Equador, que acontecem neste domingo; se os números se confirmarem na apuração, ele será eleito no primeiro turno; o principal concorrente de Moreno, o conservador Guillermo Lasso, teria feito 30,5% dos votos (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - Uma pesquisa de boca de urna conduzida pelo instituto Cedatos colocou o candidato governista do partido Alianza País, Lenin Moreno, com 39,4% dos votos na eleições presidenciais do Equador, que acontecem neste domingo, de acordo com a Reuters. Se os números se confirmarem na apuração, ele será eleito no primeiro turno.

O principal concorrente de Moreno, o conservador Guillermo Lasso, teria feito 30,5% dos votos de acordo com a mesma pesquisa. Moreno precisa de 40% do apoio e uma diferença de 10 pontos percentuais em relação ao segundo candidato se ele quiser evitar o segundo turno, a ser realizado dia 2 de abril.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247