'Boca é para comer, não para sexo', anuncia presidente de Uganda

O presidente de Uganda, Yoweri Museveni, conhecido por suas críticas a "práticas sexuais não tradicionais", impôs proibição do sexo gay consensual em Uganda, colocando em prática uma das mais severas penalidades para o ato no mundo; em seu último discurso, ele criticou as práticas sexuais "promovidas por pessoas de fora", alertando os cidadãos de seu país para não se envolverem nos atos; ele esclareceu sua postura firme sobre a prática "não tradicional" dizendo que a "boca é para comer, não para sexo"


O presidente de Uganda, Yoweri Museveni, conhecido por suas críticas a "práticas sexuais não tradicionais", impôs proibição do sexo gay consensual em Uganda, colocando em prática uma das mais severas penalidades para o ato no mundo; em seu último discurso, ele criticou as práticas sexuais "promovidas por pessoas de fora", alertando os cidadãos de seu país para não se envolverem nos atos; ele esclareceu sua postura firme sobre a prática "não tradicional" dizendo que a "boca é para comer, não para sexo"
O presidente de Uganda, Yoweri Museveni, conhecido por suas críticas a "práticas sexuais não tradicionais", impôs proibição do sexo gay consensual em Uganda, colocando em prática uma das mais severas penalidades para o ato no mundo; em seu último discurso, ele criticou as práticas sexuais "promovidas por pessoas de fora", alertando os cidadãos de seu país para não se envolverem nos atos; ele esclareceu sua postura firme sobre a prática "não tradicional" dizendo que a "boca é para comer, não para sexo" (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik Brasil - O presidente de Uganda, Yoweri Museveni, conhecido por suas críticas a "práticas sexuais não tradicionais", impôs proibição do sexo gay consensual em Uganda, colocando em prática uma das mais severas penalidades para o ato no mundo.

Em seu último discurso, ele criticou as práticas sexuais "promovidas por pessoas de fora", alertando os cidadãos de seu país para não se envolverem nos atos. Ele esclareceu sua postura firme sobre a prática "não tradicional" dizendo que a "boca é para comer, não para sexo". Embora tenha sido um aviso público, nenhuma lei, a "prática errada" tem sido proibida até então.

"Nós sabemos o endereço do sexo, sabemos onde o sexo está", disse o presidente ugandense.

Os internautas do Twitter riram da declaração do presidente, alguns deles perguntando como a proibição poderia ser imposta, enquanto outros se perguntavam quais eram as origens da ideia. 

Como Uganda pretende proibir o sexo oral?

Há quatro anos, Museveni assinou uma severa lei anti-LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e pessoas transgênero) proibindo outra "prática errada", sexos gays e lésbicos, chamando os gays de "repugnantes". A pena pela violação da lei é uma das mais severas do mundo: prisão perpétua, embora sentença de morte tenha sido originalmente planejada. Além disso, a lei ameaça com prisão os que apoiam gays e lésbicas em Uganda. 

O presidente anti-gay ignorante de Uganda diz que quer proibir que os cidadãos do país pratiquem o sexo oral porque "a boca é para comer". 

Não é a pela primeira vez que Yoweri Museveni expressa sua preocupação em relação ao sexo oral. Depois de assinar a lei anti-LGBT, ele anunciou que a outra questão preocupante é o sexo oral gay, porque aqueles que o praticam "podem voltar com vermes".

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247